DENGUE

Diretor-geral da OMS fala em ressurgimento global da dengue

Adhanom afirmou que o Brasil tem feito o melhor para conter a doença e mencionou a necessidade de aumentar a produção de vacinas

Tedros adhanom relata nesta quarta que o surto de dengue no Brasil faz parte de um grande aumento de casos da doença em escala global -  (crédito: AFP PHOTO / RKI / ANDREA MAENNEL / ANDREA SCHNARTENDORFF)
Tedros adhanom relata nesta quarta que o surto de dengue no Brasil faz parte de um grande aumento de casos da doença em escala global - (crédito: AFP PHOTO / RKI / ANDREA MAENNEL / ANDREA SCHNARTENDORFF)
postado em 07/02/2024 16:07

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom, afirmou, nesta quarta-feira, 7, que o surto de dengue visto no Brasil é parte de um grande aumento em escala global. Adhanom parabenizou o Brasil pela resposta à doença e por inserir a vacina contra a dengue no país, e disse que a organização pretende auxiliar no processo de desenvolvimento de imunizantes. O diretor da OMS está no Brasil desde o início da semana e se encontrou com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva na segunda-feira.

"Existe um surto global, a OMS está recebendo relatórios de 80 países em todas cinco regiões, exceto a Europa. Existe um ressurgimento global da dengue, e achamos que isso tem a ver com a mudança climática", afirmou o diretor-geral da OMS.

Adhanom afirmou que o Brasil tem feito o melhor para conter a doença e mencionou a necessidade de aumentar a produção de vacinas. Ele citou o protagonismo brasileiro na produção de vacinas contra a covid-19, reforçando que o País é fundamental na promoção do acesso a imunizantes por países mais pobres.

"O Brasil está fazendo o melhor que pode. O foco é no controle de vetores, mas há também vacinas produzidas pelo Brasil. É claro que o volume da produção precisa aumentar, mas, com o trabalho que está sendo desenvolvido no momento, acho que a dengue vai estar sob controle em breve", disse, complementando:

"O Brasil é um dos países que está trabalhando na produção local (de vacinas). Isso é bom para o Brasil , mas é bom principalmente para países de renda baixa e média."

Tedros Adhanom mencionou instituições científicas importantes do país, como o Instituto Butantan e a Fiocruz. Ele afirmou que a OMS tem trabalhado em uma parceria com o Butantan "com vistas a explorar uma nova via de colaboração para acelerar a produção local de novas vacinas avançadas aqui no Brasil."

Na última segunda-feira, o diretor-geral da OMS se reuniu com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Palácio do Planalto. Na ocasião, Adhanom mencionou a possibilidade de o Brasil ser fornecedor de vacinas contra dengue. Atualmente, o Instituto Butantan está em fase final de desenvolvimento do imunizante. A única vacina aprovada no Brasil contra a doença até o momento é a Qdenga, do laboratório Takeda.

O Brasil tem vivido uma alta no número de casos de dengue desde o final do ano passado. Somente em 2024, o Brasil acumula 364.855 casos prováveis da doença e 40 mortes. Na terça-feira, a ministra da Saúde, Nísia Trindade, fez um pronunciamento em rede nacional para convocar a população a auxiliar no combate e na prevenção à dengue.

Durante coletiva de imprensa, Nísia afirmou que descarta, no momento, um decreto de emergência nacional.

"Nós estamos com uma coordenação das operações de emergência já instaurado desde sábado. Neste momento, essa é a estratégia do ponto de vista nacional que consideramos adequada. Temos que ver que, em um país com as dimensões do Brasil, e com diferenças socioambientais, regimes de chuva, nesse momento não faz sentido (decretar) uma emergência nacional. O que não quer dizer que não estejamos em estado de alerta de preocupação nacional", disse.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br