guerra israel-hamas

Menina palestina de 6 anos desaparecida nos combates em Gaza é achada morta

O corpo da menina foi encontrado na manhã deste sábado em um carro perto de um posto de gasolina no bairro de Tel al Hawa

Esta fotografia sem data, obtida como cortesia da família, mostra a menina palestina Hind Rajab, de seis anos       -  (crédito: FAMILY HANDOUT / AFP)
Esta fotografia sem data, obtida como cortesia da família, mostra a menina palestina Hind Rajab, de seis anos - (crédito: FAMILY HANDOUT / AFP)
postado em 10/02/2024 11:37 / atualizado em 10/02/2024 11:37

Hind Rajab, uma menina palestina de 6 anos que estava desaparecida há quase duas semanas em meio aos combates em Gaza, foi encontrada morta junto com vários parentes, anunciaram o Hamas e sua família neste sábado (10/2), acusando as forças israelenses de tê-los matado. 

O corpo da menina foi encontrado na manhã deste sábado em um carro perto de um posto de gasolina no bairro de Tel al Hawa, na cidade de Gaza, depois que os tanques israelenses se retiraram da área ao amanhecer, disse sua família à AFP

"Hind e todos que estavam no carro morreram", disse seu avô, Baha Hamada, à AFP. "Eles foram encontrados por membros da [nossa] família que foram procurar o carro e o encontraram perto do posto de gasolina", área até agora inacessível devido à presença militar israelense, explicou. 

"Hind Rajab morreu pelas mãos das forças de ocupação [israelenses] juntamente com todos os que estavam com ela em um carro", confirmou o Ministério da Saúde do movimento islamista palestino Hamas, que governa a Faixa de Gaza desde 2007, em comunicado.

A família disse à AFP esta semana que a menina e outros familiares estavam no carro na cidade de Gaza quando se depararam com tanques que aparentemente abriram fogo contra eles. 

Hind Rajab sobreviveu a princípio, como evidenciado pelo telefonema que fez para sua família. A partir daquele momento, ninguém mais teve notícias dela, inclusive uma equipe da Cruz Vermelha palestina que foi procurá-la, segundo sua família. 

O Exército israelense não respondeu às perguntas da AFP sobre os disparos contra um carro cheio de civis ou sobre o paradeiro dos desaparecidos.

A guerra em Gaza eclodiu em 7 de outubro, quando milicianos islamistas mataram mais de 1.160 pessoas, a maioria civis, e sequestraram cerca de 250 em um ataque em solo israelense, segundo um relatório da AFP baseado em números oficiais israelenses. 

Em resposta, Israel prometeu "aniquilar" o Hamas e lançou uma vasta ofensiva militar na Faixa de Gaza, que já matou 27.947 pessoas, principalmente mulheres e menores, segundo o Ministério da Saúde do território.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br