PORTUGAL

Brasileira relata hostilidade de policial em aeroporto de Lisboa: "Humilhada"

Segundo Ana Paula, o policial começou a aumentar o tom voz quando ele pediu a reserva de hotel e a família dela só tinha de Genebra

Ana Paula, o marido Carlos Dias e o filho de 15 anos viajaram para a Europa para aproveitar as férias e tinham Genebra, na Suíça, como destino final -  (crédito: Arquivo pessoal)
Ana Paula, o marido Carlos Dias e o filho de 15 anos viajaram para a Europa para aproveitar as férias e tinham Genebra, na Suíça, como destino final - (crédito: Arquivo pessoal)

A carioca Ana Paula Romeiro relatou que foi vítima de hostilidade de um policial federal na área de imigração do aeroporto de Lisboa, em Portugal, por volta das 6h30 desta quarta-feira (10/7). Ela, o marido e o filho de 15 anos viajaram para a Europa para aproveitar as férias e tinham Genebra, na Suíça, como destino final. Ao Correio, Ana, que trabalha como assessora de imprensa no Rio de Janeiro, afirmou que essa é a décima vez que ela desembarca no continente europeu e que nunca tinha passado por um abordagem grosseira como a que recebeu. 

"Sempre adorei Portugal, mas essa foi uma recepção terrível, uma experiência horrível. Para mim, isso é uma mancha que ficará. De coração, não tenho a menor vontade de voltar, porque se é assim que tratam as pessoas que vêm visitar, eu não tenho interesse, tem outros lugares do mundo para se ir", diz Ana Paula.

Segundo Ana, o policial começou a aumentar o tom de voz quando ele pediu a reserva de hotel e a família dela só tinha de Genebra. Ele também solicitou a passagem de volta, mas a brasileira demorou a encontrar. "A gente tem uma reserva em Genebra para três noites, porque a gente vai alugar um carro e vai sair viajando, sempre fizemos isso. A gente não faz as reservas todas com antecipação, explica Ana.

"Ele queria as passagens de volta e eu não estava achando, só que ele começou a gritar comigo, a dizer que se ele fosse no meu país ele teria que cumprir as regras e então eu também tinha que cumprir. Eu comecei a ficar nervosa porque eu não estava encontrando a passagem de volta. Chamei ele de moço e ele disse: 'moço não! Policial' Ou seja, usou toda a autoridade pra nos humilhar", emenda.

"Ele foi muito hostil, agressivo, rude o tempo todo. Todas as pessoas ao redor olharam, como se a gente fosse ilegal. Que isso não aconteça mais, porque obviamente tem a ver com o fato de sermos brasileiros", acrescentou a carioca.

O Correio tenta contato com a polícia de Portugal para pedir um posicionamento sobre a abordagem que os brasileiros receberam, mas até a publicação desta matéria o jornal não obteve retorno. O espaço segue aberto para eventual manifestação.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

postado em 10/07/2024 09:56
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação