CONGRESSO

Candidato à eleição na Câmara, Baleia Rossi diz ter "nojo da ditadura"

Presidente nacional do MDB foi escolhido pela frente de partidos criada por Rodrigo Maia para disputar sucessão na Casa com Arthur Lira, candidato de Bolsonaro

Jorge Vasconcellos
postado em 23/12/2020 19:47 / atualizado em 23/12/2020 19:47
 (crédito: Luis Macedo/Agência Câmara)
(crédito: Luis Macedo/Agência Câmara)

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e líderes partidários do bloco formado para concorrer à presidência da Casa, em 1º de fevereiro, anunciaram, nesta quarta-feira (23/12), o nome do deputado Baleia Rossi (MDB-SP) como o candidato do grupo. O emedebista foi o escolhido para enfrentar o deputado Arthur Lira (PP-AL), líder do Centrão e favorito do presidente Jair Bolsonaro na disputa. Com um discurso preparado para demonstrar diferenças com o chefe do governo,  Rossi defendeu a democracia e disse ter "ódio e nojo à ditadura", repetindo a frase histórica do ex-deputado Ulysses Guimarães (1916-1992).

A formação da frente ampla foi anunciada por Maia na última sexta-feira. Ela reúne partidos de centro — PSL, MDB, PSDB, DEM, Cidadania, PV e Rede —, e de esquerda — PT, PCdoB, PSB e PDT. Ao todo, o bloco é formado por 11 siglas.

Filho do ex-deputado e ex-ministro Wagner Rossi, Baleia Rossi é líder do MDB na Câmara e presidente nacional do partido. Ele teve a candidatura formalizada após uma série de reuniões em Brasília nesta quarta-feira. 

“O que nos une neste momento é a defesa intransigente da nossa democracia, do Estado democrático de direito, das liberdades, do respeito às minorias. E claro que num bloco partidário que tem posições diferentes sobre diversos temas, essa diferença nos fortalece e demonstra que na democracia uma das belezas é respeitar quem pensa diferente de você", declarou Rossi.

O candidato elogiou a presidência de Rodrigo Maia e prometeu continuar trabalhando para manter o protagonismo da Casa. "Pela independência da Câmara, para que a nossa Câmara continue com o protagonismo. Maia foi fundamental nesse período triste de pandemia, em que mais de 180 mil brasileiros perderam vidas. Todo o esforço da Câmara foi para atender às demandas da população", discursou Rossi.

O parlamentar também se manifestou pelo Twitter, logo após a formalização da candidatura. "Vou conversar com todos os partidos do campo progressista. Respeito e reconheço nossos pontos divergentes. O importante é focar na defesa da independência da Câmara. Nossa #frenteampla é em defesa intransigente da Democracia, pois temos 'ódio e nojo à ditadura'", escreveu o candidato da frente ampla.

A postagem é acompanhada de uma foto em que Rossi, ainda jovem, aparece ao lado do ex-deputado Ulysses Guimarães (MDB), um dos principais líderes da resistência ao regime militar (1964-1985) e que faleceu em um acidente aéreo, em 1992. A expressão 'ódio e nojo à ditadura' entrou para a história ao ser dita por Guimarães durante a promulgação da Constituição de 1988.

Passo à frente

A escolha do nome de Baleia Rossi foi anunciada pelo deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), que também era um dos cotados para ser o candidato da frente. Ele afirmou que o bloco reúne 281 parlamentares — mais que a metade dos 513 deputados em cumprimento de mandato.

"No projeto que nós integramos da defesa da democracia, da independência da Câmara, da liberdade, eu decidi decidir. Abrir mão da nossa pré-candidatura para que, dando um passo atrás, o Brasil possa dar um passo à frente na consolidação da candidatura do Baleia Rossi", disse Ribeiro.

Na mesma linha, Rodrigo Maia afirmou que o bloco partidário formado por ele tem condições de vencer a eleição com o compromisso de garantir a “independência da Câmara”.

O parlamentar revelou que os partidos de centro e centro-direita do bloco apoiavam os nomes tanto de Aguinaldo Ribeiro quanto de Baleia Rossi. Segundo ele, quando Ribeiro retirou a candidatura, o nome de Rossi foi negociado com partidos de esquerda.

“Acho que é importante agora o líder Baleia, que liderava um partido, muito focado no seu partido, dialogar com todos os partidos, mas principalmente com aqueles que têm divergências ideológicas conosco, mas uma convergência em princípios, principalmente nos princípios da democracia”, disse Maia.

Ele acrescentou que a frente ampla tem como prioridades a modernização do Estado, a redução das desigualdades, da pobreza e do desemprego, além da melhoria da saúde pública e da educação no país.

Resistência do bloco

Apesar de escolhido como candidato, Baleia Rossi ainda enfrenta resistências dentro do bloco. Até a manhã desta quarta, deputados do PT vinham sendo pressionados por expoentes da legenda a negar apoio a um nome do MDB. Nas redes sociais, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) lembrou da liderança do partido no processo de impeachment que sofreu em 2016, quando foi substituída no cargo pelo então vice-presidente, o emedebista Michel Temer. O mesmo alerta foi feito pelo ex-prefeito e ex-candidato à presidência Fernando Haddad (PT).

Ao mesmo tempo em que o nome de Baleia Rossi era anunciado como candidato, a presidente nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), publicou em uma rede social que a sigla "só vai decidir" sobre uma eventual candidatura após debater com partidos de oposição.

"O PT só vai decidir s/ [sobre] candidatura à presidência da Câmara ao fim de um debate c/ [com] os partidos de oposição. Continuará buscando unidade de ação p/ [para] garantir defesa da democracia, independência do Legislativo, derrota do autoritarismo e obscurantismo e os direitos do povo brasileiro", escreveu Gleisi.

Presidentes e líderes de PT, PSB, PDT e PCdoB divulgaram um comunicado conjunto afirmando que pretendem se reunir com Baleia Rossi na próxima segunda-feira (28), para conhecer "as propostas e compromissos de procedimentos que nortearão sua candidatura à presidência da Casa".

Humildade

No discurso durante o anúncio da candidatura, o deputado Baleia Rossi citou os partidos de esquerda e do "centro democrático", afirmando que deseja dialogar "com muita humildade com cada um dos parlamentares".

"Queria deixar aqui minha palavra de entusiasmo com este início de campanha, de agradecimento a todos os partidos, partidos do centro democrático, partidos da esquerda. [Dizer] que nos vamos fazer o diálogo, nós vamos mostrar claramente o que nós defendemos, e nós vamos trabalhar a partir de agora, conversando com muita humildade com cada um dos parlamentares, para mostrar que a Câmara livre e independente é o melhor para o futuro do nosso país", declarou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE