CPI da Covid

Pazuello nega ter recebido ordem para assinar tratamento precoce com cloroquina

Ex-ministro afirmou que dar seguimento à promoção do medicamento não foi "em hipótese alguma" uma condicionante para assumir o cargo e que as notas informativas elaboradas na gestão seguem orientação do Conselho Federal de Medicina

Bruna Lima
postado em 19/05/2021 14:02 / atualizado em 19/05/2021 14:16
 (crédito: Edilson Rodrigues/Agência Senado)
(crédito: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

Mesmo com a nota informativa do Ministério da Saúde que ampliava a recomendação do uso da cloroquina em pacientes de covid-19 sendo liberada logo após o general Eduardo Pazuello assumir o comando da pasta, o militar afirmou que a nomeação "em hipótese alguma" esteve condicionada a uma recomendação para adotar tratamento a base da medicação. A declaração foi feita nesta quarta-feira (19/5) durante a sabatina da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da covid-19.

Sobre a cloroquina, Pazuello disse que a pasta apenas publicou nota informativa que segue as orientações do Conselho Federal de Medicina (CFM), permitindo aos médicos o uso off label do medicamento e instruindo a dosagem segura. Ele afirmou que a prescrição de medicamentos é prerrogativa dos médicos e que as decisões foram acertadas junto aos conselhos estaduais e municipais de Saúde (Conass e Conasems). "Eu não recomendei. A nota faz apenas um alerta", defendeu, afirmando que a nota nunca foi suspensa porque não há uma conclusão cientifica sobre o assunto. 

Ao opinar sobre o uso indiscriminado do fármaco, o ex-ministro disse que não se deve "distribuir um medicamento A, B ou C sem prescrição médica. Não concordo com isso. Cumpram exatamente o que o médico oferecer", disse.

À época da publicação da nota, o presidente Jair Bolsonaro fez diversas declarações públicas afirmando que iria facilitar o uso da cloroquina e hidroxicloroquina e sempre portava uma caixa do medicamento durante os pronunciamentos. Mesmo assim, o ex-ministro afirmou que nunca recebeu ordens diretas do mandatário "para nada".

Desde que assumiu a pasta, general Eduardo Pazuello defende, ao lado de Bolsonaro, o uso da cloroquina a partir dos primeiros sintomas
Desde que assumiu a pasta, general Eduardo Pazuello defende, ao lado de Bolsonaro, o uso da cloroquina a partir dos primeiros sintomas (foto: Marcelo Camargo/Agencia Brsil)

Questionado pelo relator Renan Calheiros (MDB/AL) sobre a frequência em que Pazuello se encontrava com Bolsonaro, o general respondeu: "menos do que gostaria. Preferia ter encontrado mais vezes", afirmou, completando que tal relação precisaria e poderia ser maior. "São cargos e agendas complicadas. Objetivamente, uma, duas vezes por semana era o que conseguíamos conversar".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE