CPI da Covid

Senadores avaliam acareação entre Pazuello e demais testemunhas da CPI

Declarações do ex-ministro da Saúde entram em contradição com oitiva de outros convocados da CPI da Covid

Renato Souza
postado em 19/05/2021 15:10
 (crédito: Edilson Rodrigues/Agência Senado)
(crédito: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

Senadores que integram a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da covid-19 avaliam convocar uma acareação entre o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e as demais testemunhas já ouvidas pelo colegiado. O discurso do ex-ministro em depoimento na CPI nesta quarta-feira (19/5) entra em contradição com diversas afirmações de outros depoentes, como no caso de Luiz Henrique Mandetta. Ao Correio, integrantes do colegiado afirmam que o tema será avaliado apos o depoimento do general.

Durante sua oitiva, Mandetta afirmou que existe uma assessoria paralela para orientar o presidente Jair Bolsonaro na pandemia. Pazuello nega a existência do grupo. Ele também nega que o governo tenha sido informado previamente do risco da falta de oxigênio em Manaus.

Em outro ponto do depoimento, Pazuello afirma que as campanhas de comunicação relacionadas à pandemia são de resonsabilidade da Secretaria de Comunicação da Presidência (Secom). No entanto, o ex-titular da Secom, Fabio Wajngarten, disse, aos senadores, que as peças eram de responsabilidade da pasta da Saúde.

O general também nega que o Executivo tenha deixado de responder uma carta da Pfizer com o oferecimento de vacinas contra a cobid-19. O então presidente da empresa no Brasil, Carlos Murillo, disse, contudo, que durante dois meses a correspondência da empresa não obteve resposta.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE