5G

Bolsonaro diz que com 5G indígenas vão fazer matérias da Amazônia sem fake news

Presidente também lembrou a internet discada dos anos 90 e reclamou de burocracia para habilitação de jet ski

Ingrid Soares
postado em 04/11/2021 12:41
 (crédito: Reprodução / TV Brasil)
(crédito: Reprodução / TV Brasil)

FO presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (4/11) que um um dos benefícios da chegada do 5G ao país será a geração de matérias jornalísticas por parte de indígenas sobre a Amazônia que serão enviadas internacionalmente. O chefe do Executivo defendeu que, com isso, "não vai ser só aquela fábrica de fake news que temos aqui no Brasil". A declaração ocorreu durante abertura de evento do leilão 5G.

"Em uma das minhas idas à Amazônia estava como Fabio (Faria, ministro das Comunicações), passamos em duas comunidades indígenas: a dos Tucanos e dos Yanomamis. O que ele pediram para nós? Pediram internet. E quando a gente vê nossos irmãos indígenas com internet, eles vão começar a fazer matéria da Amazônia e mandar para fora. Não vai ser só aquela fábrica de fake news que temos aqui no Brasil, difamando a nossa Pátria, desinformando. Vamos ter a realidade pura que a gente vê", defendeu.

Bolsonaro falou ainda sobre a melhoria do turismo na região amazônica com hidroaviões. "O Tarcísio (de Freitas, ministro da Infraestrutura), há pouco tempo, deu uma regulamentada para melhorar a questão dos hidroaviões. Vamos ter turismo na Amazônia com hidroavião. Tem uma pista lá, qualquer lugar tem uma pista de pouso. Vão, cada vez mais, aparecer hotéis flutuantes, pode ter certeza".

O presidente também reclamou de burocracia para habilitação de jet ski. "Estamos conversando com o comandante da Marinha sobre como facilitar a vida de quem gosta de um jet ski. Quem já andou no jet ski sabe a maravilha que é. Agora, a burocracia para tirar uma habilitação é uma coisa inacreditável".

Ele ainda lembrou a internet discada dos anos 90 e falou do desenvolvimento da tecnologia.

"O 5G vem para consolidar tudo isso aí. Eu lembro dos idos 90, o Flávio (Bolsonaro, senador e filho do presidente) tinha uns 8 anos de idade, eu era vereador, pegava o laptop, botava o cabo, tirava o telefone do interruptor e botava, plugava ali e ficava às vezes 10, 15, 20 minutos até entrar no ar a internet. Pouca gente tinha isso. Pouca gente acreditava nisso. Olha onde chegamos hoje em dia e onde iremos, também, com toda certeza. Não vai ficar apenas no 5G".

"Política saudável"

Por fim, o titular do Planalto agradeceu a parlamentares que auxiliaram o governo na realização do leilão.

"Essas coisas fantásticas vêm do trabalho de vocês. Vem, prezado Arthur Lira (presidente da Câmara), de um política saudável que nós temos, contato excepcional com a Câmara dos Deputados, vem com articulação do Ciro Nogueira (ministro da Casa Civil) e do Senado, em especial de vários parlamentares aqui presentes".

"Não são apenas os indígenas, segundo me relatou Fabio (Faria). São quase 10 mil localidades pequenas que não têm internet e vão ter. É informação que chega na ponta da linha. Essa pessoa se integrando com o Brasil e com o mundo", finalizou.

Bolsonaro bateu o martelo usado na privatização das telecomunicações do país dando início ao leilão do 5G. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE