POLÊMICA

Eduardo Leite confirma ligação a Dória, mas nega pedido para adiar vacinação

Em coletiva, o candidato às prévias do PSDB, nega pedido de adiamento de vacinação, crê na vitória da candidatura e promete campanha com diálogo

Tainá Andrade
postado em 18/11/2021 20:11
 (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)
(crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)

Em coletiva, na tarde desta quinta-feira (18/11), Eduardo Leite (RS), confirmou o telefonema para João Doria (PSDB-SP) para falar sobre a vacinação, em janeiro desse ano. Mas, segundo ele, a ligação foi para resolver um pedido feito pelo ministro da Saúde de Bolsonaro, que ficou "preocupado" com um novo impasse diante da vacinação. 

Ou seja, em suas palavras, foi um “cuidado político” para que a vacinação ocorresse de maneira fluida, sem “tensionamento político”, e sem que viesse a afetar a população brasileira. “Não pedi e nunca pediria que se adiasse vacinação no Brasil, jamais faria um pedido desta natureza”, disse o gaúcho. 

Leite acredita que a retomada do assunto é uma tática dos adversários esquerdistas para desmoralizá-lo e acredita está sendo alvo de um ataque “injusto, imoral, antiético e oportunista”. 

Prévias do partido 

Para Leite, a liderança nas votações das prévias para o Partido Social Democrático Brasileiro (PSDB), que ocorrerá no próximo dia 21, está garantida, pois sempre manteve uma carreira política na base do diálogo, logo conseguirá reconduzir qualquer tipo de reconciliação política.

“É sabido pelos adversários que a nossa candidatura [nas prévias] é mais competitiva, por isso, nitidamente, vem mais [ataques] de setores da esquerda. Então, tem nítido componente eleitoral tentando criar um ambiente que fizesse crer que a minha história, que a minha prática deixa claro que não é verdade. Passar por cima de tudo para ganhar votos não é o estilo e caminho que, nas prévias do PSDB, nós devemos adotar e seguramente não é, na eleição presidencial, que nós queremos ver”, defendeu-se.

“Vamos ganhar essas prévias e vamos apresentar uma alternativa ao Brasil de uma candidatura que tem baixa rejeição, grande potencial de crescimento e que quer ser algo de diferente para o Brasil e para os brasileiros nessa eleição do ano que vem”, prometeu.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE