Polêmica

Ministro das Comunicações apaga vídeo de Bolsonaro comendo farinha

Postagem feita no domingo após um passeio de moto em Brasília teve repercussão negativa nas redes sociais: ‘caricatura’, ‘teatro’, ‘fraude’

Jéssica Gotlib
postado em 31/01/2022 10:57
 (crédito:  Reprodução/Redes Sociais)
(crédito: Reprodução/Redes Sociais)

Depois da repercussão do vídeo em que o presidente Jair Bolsonaro (PL) aparece comendo farofa no meio da rua, em Brasília, pelo menos uma das postagens foi apagada das redes sociais. Na manhã desta segunda-feira (31/1), as imagens não estavam mais vinculadas ao perfil do ministro das Comunicações Fábio Faria (PSD).

A ausência foi notada por usuários do Twitter que haviam comentado a publicação do genro de Silvio Santos no domingo (30/1). “O Fábio Faria apagou o vídeo da farofada do Bolsonaro!! A coisa pegou tão mal que ele teve que apagar!”, escreveu o usuário Thiago Brasil.


"A rejeição foi tão forte entre os bolsonaristas que se sentiram ofendidos (talvez pela primeira vez) em se verem representados", comentou a usuária Lana.


Passeio de moto

As imagens foram gravadas logo depois que o presidente deu uma volta de moto pela cidade. Embora muitos apoiadores tenham comentado que o vídeo demonstra que Bolsonaro é "um homem do povo", a maior parte dos comentários foi negativa. Especialmente porque as postagens foram feitas no dia em que se divulgou a comparação dos gastos no cartão corporativo do presidente em relação aos antecessores.

Levantamento aponta que ele gastou R$ 29,6 milhões só até dezembro de 2021, valor que supera o gasto somado dos antecessores Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB), R$ 24,9 milhões em quatro anos (2014-2018). "Só passando pra lembrar que não adianta comer com as mãos em sinal de humildade e simplicidade e gastar quase R$ 30 milhões do dinheiro do contribuinte no cartão corporativo. Não acredite no Bolsonaro e em seu teatro", criticou a ex-senadora Marina Silva.

O comentário foi reverberado por outros internautas, que também se espantaram com o aparente contraste entre a postura pública do presidente e as contas privadas dele. "A propaganda é de um presidente simples que derruba farofa de frango na roupa. Tudo isso no dia em que são revelados os gastos do cartão corporativo e se apura que ele gastou R$ 822 mil por mês desde o início do mandato. Bolsonaro é uma fraude", tachou o dono do perfil Anonymous.


Popularidade em queda

Apesar de ter sido apagado da conta do ministro das Comunicações, o vídeo continua no ar em perfis de outros apoiadores como de um dos filhos do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (PL), e a deputada federal Carla Zambelli (PSL). Muitos internautas associaram a publicação a uma campanha para aproximar o presidente do povo, uma vez que pesquisas apontam o chefe do Executivo com uma popularidade cada vez mais baixa.

De acordo com os dados divulgados pela Modalmais e AP Exata, por exemplo, 54,3% dos brasileiros consideram o governo Bolsonaro ruim ou péssimo. O documento traça um panorama dos principais pontos de crítica do governo e aponta que o desempenho ruim da economia e o constante antagonismo em relação ao Supremo Tribunal Federal (STF) depõem contra o mandatário.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE