ELEIÇÕES 2022

Bolsonaro: "Embrulha estômago jogar dentro das 4 linhas da Constituição"

Em ato político do PL, com tom de comício, Bolsonaro reclama da Carta Magna e diz ter um "exército" na "luta do bem contra o mal"

Tainá Andrade
postado em 28/03/2022 06:00
 (crédito: Evaristo Sa / AFP)      )
(crédito: Evaristo Sa / AFP) )

Em clima de comício, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que, às vezes, "embrulha o estômago" ter de "jogar dentro das quatro linhas da Constituição". Ele também disse que conta com "um exército" ao seu lado e que a disputa política é "uma luta do bem contra o mal". As declarações ocorreram, ontem, no evento que o chefe do Executivo classificou como sendo de lançamento de sua pré-candidatura à reeleição, mas que o partido chamou de ato de novas filiações.

"Por vezes, me embrulha o estômago ter de jogar dentro das quatro linhas, mas eu jurei, e não foi da boca para fora, respeitar a Constituição. Aqueles que estão ao meu lado, todos, em especial os 23 ministros, eu digo-lhes: vocês têm obrigação de, juntamente comigo, fazer com que quem esteja fora das quatro linhas seja obrigado a voltar para dentro", sustentou.

Ao se dirigir para o público de cerca de três mil pessoas, no Centro Internacional de Convenções do Brasil, Bolsonaro mencionou várias vezes a palavra ditadura ao se referir aos governos do PT. "Não podemos esquecer o nosso passado, porque aquele que esquece nosso passado está condenado a não ter nosso futuro. Os mais jovens podem não conhecê-lo, os seus pais e avós têm obrigação de mostrar para eles para onde o Brasil estava indo. Há pouco, estávamos à beira do abismo", frisou.

O presidente ressaltou que "o inimigo do Brasil não é externo, é interno". "Não é uma luta da esquerda contra a direita. É uma luta do bem contra o mal", frisou. Ele ressaltou que "para defender a liberdade e a nossa democracia, tomarei a decisão contra quem quer que seja". "E a certeza do sucesso é que eu tenho um exército ao meu lado, e esse exército é composto de cada um de vocês", disse.

Evocando Deus, Bolsonaro enfatizou que ninguém deveria desejar o cargo de presidente da República. "Costumo dizer, não queiram a minha cadeira. Lá, é um local de muitas agruras, principalmente quando se quer fazer a coisa certa", reclamou. Em outro trecho, disse que pretende entregar um país melhor do que recebeu em 2019, mas somente "lá na frente".

O chefe do Executivo também disparou críticas a governadores por terem adotado medidas restritivas contra a disseminação do novo coronavírus. "Vocês sentiram na pandemia o gosto da ditadura. Alguns chefes do Executivo, em especial estaduais, tiraram o direito até de ir e vir de vocês. Obrigaram todos a ficar em casa", reprovou. "Isso que nós passamos, em que lamentamos todas as mortes, serviu de aprendizado para vocês, no tocante à responsabilidade para indicar os vários cargos que querem que os representem."

Corrupção

Ao abordar o tema da corrupção, Bolsonaro mencionou "legados" deixados pelo PT, embora não tenha citado o nome do partido. Falou sobre as dívidas da Petrobras e do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Segundo ele, "daria para fazer 100 vezes a transposição do São Francisco". "Acabou a farra com o dinheiro público", arrematou.

Ele não citou o escândalo envolvendo o ministro da Educação, Milton Ribeiro, sobre o favorecimento de pastores na destinação de verbas da pasta — as denúncias estão sob investigação da Polícia Federal. Alegou, porém, que sempre "buscam qualquer coisa para transformar em um tsunami".

"Todos sabem como nos portamos. Foram três anos e três meses em paz nessas questões (de corrupção). Se aparecer, nós cobraremos para que os fatos sejam elucidados. Todos somos humanos, podemos errar e devemos ter uma segunda chance para voltarmos a ser úteis para a sociedade", minimizou.

A questão indígena também foi pincelada, numa menção a projetos que preveem a exploração de territórios dos povos originários. "Vejo irmãos indígenas na minha frente que querem e clamam para que o Congresso aprove um projeto de lei de modo que os liberte dentro da própria terra. Eles querem produzir, não querem ser tutelados pelo Estado", declarou.

Ao discursar, o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, chamou Bolsonaro de "futuro presidente pelo segundo mandato".

Costa Neto anunciou a filiação do ministro da Cidadania, João Roma, que vai disputar o governo da Bahia. Também entrou para o partido Marcos Pontes, ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, que pretende concorrer a deputado federal nas próximas eleições. O senador Eduardo Gomes, líder do governo no Congresso, também aderiu à legenda de Bolsonaro.

"Hoje (ontem), estou com muito entusiasmo, assumindo o novo compromisso e caminhada. Esse homem (Bolsonaro) é aquele que foi atacado permanentemente, mas conseguiu entregar o que nunca fizeram", disse João Roma no palco, ao lado do chefe do Executivo. O ministro deixou o Republicanos para migrar à nova sigla.

 


CONTINUE LENDO SOBRE