Combustíveis

Oposição na Câmara sinaliza que deve dialogar para teto do ICMS

Após reunião com Lira e Saschida, líderes da oposição vão articular com as bancadas sobre proposta do governo. A redução será de 9 a 12% para gasolina e de 10% para o etanol

Tainá Andrade
postado em 24/05/2022 17:56 / atualizado em 24/05/2022 17:56
 (crédito: Paulo Sérgio/Câmara dos Deputados)
(crédito: Paulo Sérgio/Câmara dos Deputados)

Líderes da oposição sinalizam estar de acordo com a decisão de Arthur Lira (PP-AL) de votar, nesta terça-feira (24/5), o projeto de lei que determina alíquota fixa do ICMS em 17%. A indicação foi feita hoje cedo, após reunião na residência oficial do presidente da Câmara dos Deputados.

Bira do Pindaré (MA), líder do PSB, afirmou que o próximo passo será insistir no diálogo com as bancadas. "Temos que fazer o que for melhor para a população. Esse é um paliativo, não é a solução, mas tem que acontecer. Entendemos que é preciso encontrar saídas", declarou.

Ainda que haja esse entendimento, a oposição é unânime em afirmar que o problema só seria resolvido com uma modificação na política de preços da Petrobras.

"Acho que a solução seria modificar a política de preço da Petrobras e parece que isso não querem alterar. O impacto dessa medida, segundo o governo, é de R$ 0,60, uma variação do dólar já compromete. Portanto, não vai ser um impacto tão grande, não resolve o problema. Mas nosso esforço é ajudar para ajudar", pontuou.

A previsão, de acordo com o autor do projeto, Danilo Forte (União Brasil-CE), é de que a redução seja de 9% a 12% para gasolina e de 10% para o etanol.

Mais cedo, o líder do PT, deputado Reginaldo Lopes (MG), alegou que o presidente Jair Bolsonaro (PL) é anti-federativo. "Imposto é o que cobre da renda e do patrimônio. Bolsonaro é anti-federativo, só arruma conflitos. O ICMS é uma cortina de fumaça para não explicar a roubalheira dos preços de petróleo e de gás sendo que ele é controlador majoritário para as tarifas. Se tornou refém das próprias mentiras", acusou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE