Eleições 2022

"Página virada", diz Molon ao manter candidatura ao Senado

Alessandro Molon reafirmou sua candidatura ao Senado nesta sexta-feira (5/8) em coletiva de imprensa

Victor Correia
postado em 05/08/2022 18:07 / atualizado em 05/08/2022 18:07
 (crédito: Reprodução/Facebook)
(crédito: Reprodução/Facebook)

O deputado federal Alessandro Molon (PSB) anunciou nesta sexta-feira (5/8) que mantém sua candidatura ao Senado Federal pelo Rio de Janeiro. O anúncio foi feito em coletiva de imprensa na sede do PSB fluminense. Segundo Molon, o conflito com o PT é "página virada".

"Isso, para nós, é página virada. A nossa disputa é com Romário (PL). Romário é o representante bolsonarista na disputa ao Senado", afirmou o deputado na coletiva. Sua candidatura foi recebeu apoio dos diretórios estaduais do PSB, PSol, Rede Sustentabilidade e Cidadania. "Há uma forte pressão do PT sobre o PSB numa tentativa de obrigar a nossa desistência. Eu estou aqui para dizer que nós não desistiremos da nossa candidatura."

A disputa no estado entre PT e PSB foi motivada pela vaga ao Senado Federal. O PT defende a candidatura de André Ceciliano (PT) ao cargo, enquanto o deputado Alessandro Molon (PSB-RJ) insistiu em concorrer à vaga. O diretório fluminense do PT chegou a ameaçar retirada de apoio a Marcelo Freixo (PSB), candidato dos socialistas ao governo do Rio de Janeiro. Porém, o diretório nacional petista determinou hoje a manutenção do apoio.

"Nunca houve acordo"

"Os argumentos que se levantam para defender essa desistência é um suporto acordo com o PT para que fosse cedida a vaga [ao Senado] para o PT", defendeu Molon. "Nunca houve um acordo do PSB com o PT para que essa vaga fosse cedida. Eu nunca fiz, nunca participei e nunca autorizei para que essa vaga foi cedida ao PT. Nem eu, que sou presidente estadual do PSB, nem o presidente nacional [Carlos Siqueira]", completou.

Questionado sobre como ficam os palanques de sua candidatura, Molon afirmou que nada muda, e ainda apoia Marcelo Freixo. No cenário nacional, ele reiterou o apoio ao candidato petista, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). "Com toda a certeza eu vou fazer campanha para o Lula", respondeu Molon. "O país não sobrevive a mais quatro anos com uma reeleição do [Jair] Bolsonaro. O passado está superado. Precisamos eleger Lula presidente da República. Precisamos eleger Marcelo Freixo governador do estado. De nossa parte, isso é página virada", reiterou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE