governo

Desdém de Lula com o golpe de 1964 causa indignação

Afirmação do presidente, em entrevista à RedeTV!, de que não iria "remoer" a quartelada de quase 60 anos atrás, entristece e irrita parentes e vítimas da ditadura militar

Lula e o presidente Irfaan Ali se cumprimentam na cúpula da Caricom. Eles se reúnem para tratar de Essequibo -  (crédito:  Ricardo Stuckert / PR)
Lula e o presidente Irfaan Ali se cumprimentam na cúpula da Caricom. Eles se reúnem para tratar de Essequibo - (crédito: Ricardo Stuckert / PR)
postado em 29/02/2024 03:55

Entidades, parentes de vítimas e perseguidos e presos pela ditadura militar reagiram com indignação, tristeza e irritação às declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de que está mais preocupado com a tentativa de golpe de Estado de 8 de janeiro de 2023 do que com a quartelada de 31 de março de 1964. Em entrevista ao jornalista Kennedy Alencar, da RedeTV!, o petista disse que "isso já faz parte da história" e que não ficaria "remoendo" o episódio de 60 anos atrás.

João Vicente Goulart, filho do ex-presidente João Goulart, deposto pelos militares em 1964, classificou de absurdo o comentário. Avaliou que o presidente demonstrou desinteresse pela história e desrespeito pelas vítimas da ditadura.

"É um absurdo essa falta de interesse de dar conhecimento às novas gerações do sangue que o Brasil derramou em luta pelo restabelecimento democrático. Ele gosta muito de ser apoiado, mas parece não gostar de nossos mártires tombados no golpe", afirmou.

Para a Coalizão Brasil por Memória, Verdade, Justiça, Reparação e Democracia — que reúne dezenas de entidades e militantes dos direitos humanos —, as palavras de Lula foram "equivocadas" e que falar sobre 1964 não é remoer o passado.

"Repudiar veementemente o golpe é uma forma de reafirmar o compromisso de punir os golpes também do presente e eventuais tentativas futuras. (...) Falar sobre 1964 é falar sobre os projetos autoritários e elitistas da sociedade, que continuam ameaçando a possibilidade de o Brasil se afirmar como um país soberano, capaz de produzir desenvolvimento econômico e socioambiental com inclusão e democracia. É, portanto, falar sobre o futuro", diz nota divulgada pela entidade.

Exilada e presa na ditadura, a psicóloga Vera Vital Brasil ficou chocada com as palavras de Lula. Segundo ela, o presidente repetiu a lógica dos militares de 1964 e busca valorizar a tentativa de golpe de 8 de janeiro.

"O presidente não faz a conexão necessária entre o passado e o presente. Individualiza sua experiência, botando uma pá de cal nos horrores do passado ditatorial. E os militares estão, como sempre estiveram, com a aquiescência dos sucessivos governos, tutelando os períodos mais progressistas. Lamentável", lastimou.

Comissão

Neto de um desaparecido político — Mário Alves de Souza Vieira, que foi dirigente do Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR) —, o músico Leo Alves irritou-se com o desdém do presidente. E afirmou que os parentes insistirão com o governo pela volta da Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos, extinta no final do governo de Jair Bolsonaro. A minuta de decreto da recriação do colegiado está sobre a mesa de Lula.

"Recebo com profunda indignação a declaração. Digo mais: estamos organizados em dezenas de entidades de direitos humanos para seguir nessa luta. Vemos que o presidente está pisando em ovos, mas não podemos negociar com direitos conquistados. Lula está diminuindo a relevância histórica do que representou o golpe de 64, na véspera de completar 60 anos", observou.

Diva Santana integrou a Comissão de Mortos e Desaparecidos e tem uma irmã — Dinaelza Santana Coqueiro — desaparecida na Guerrilha do Araguaia (1966-1974). Para ela, Lula não pensou nas dores dos parentes ao afirmar que não remoerá o passado.

"É muita falta de respeito, ainda temos desaparecidos. Foi uma pedrada, um acinte, um desrespeito. Lula se elegeu com o voto da militância, de gente que deu sua vida pelo país no passado, que foram presas, torturadas, exiladas. Só posso lamentar", criticou.

 

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br