Guerra Israel-Hamas

Itamaraty repudia ataque de Israel contra fila de comida em Gaza

Em nota divulgada nesta sexta (1º/3), o governo brasileiro afirmou que o ataque é "intolerável" e que o governo de Netanyahu mostra que a ação na Palestina não tem limites éticos ou legais

Mais de 100 pessoas foram mortas em ataque e 750 foram feridas por tiros, pisoteio ou atropelamento  -  (crédito: SAID KHATIB / AFP)
Mais de 100 pessoas foram mortas em ataque e 750 foram feridas por tiros, pisoteio ou atropelamento - (crédito: SAID KHATIB / AFP)
postado em 01/03/2024 11:11 / atualizado em 01/03/2024 11:15

O governo brasileiro repudiou nesta sexta-feira (1º/3) a ação do exército israelense contra civis em uma fila para ajuda humanitária na Faixa de Gaza, que matou mais de 100 pessoas ontem (29/2). Em nota, o Palácio do Itamaraty declarou que a ação é “intolerável”, e que o governo de Benjamin Netanyahu demonstra que “a ação militar em Gaza não tem qualquer limite ético ou legal”.

O documento também pede apuração da responsabilidade pelas mortes, e critica declarações dadas por integrantes do governo israelense sobre o ataque. “Trata-se de uma situação intolerável, que vai muito além da necessária apuração de responsabilidades pelos mortos e feridos de ontem”, disse em nota o Itamaraty.

Mais de 100 pessoas foram mortas e 750 foram feridas por tiros, pisoteio ou atropelamento. Uma multidão de palestinos cercava caminhões que ofereciam ajuda humanitária, principalmente comida. Para o governo brasileiro, o episódio demonstra a situação “desesperadora” da população civil na Faixa de Gaza.

Israel inicialmente negou que tivesse feito disparos contra a multidão, e atribuiu as mortes a uma confusão e pisoteamento. Porém, mudou a versão e admitiu que soldados atiraram contra a fila humanitária por se sentirem “ameaçados”.

O Itamaraty ressaltou que órgãos internacionais há meses denunciam ações do governo israelense para impedir a entrada de caminhões com ajuda no enclave. Porém, criticou a inação da comunidade global que permite que o governo de Netanyahu continue a atingir civis e ignorar regras do direito internacional.

“O governo Netanyahu volta a mostrar, por ações e declarações, que a ação militar em Gaza não tem qualquer limite ético ou legal. E cabe à comunidade internacional dar um basta para, somente assim, evitar novas atrocidades. A cada dia de hesitação, mais inocentes morrerão”, enfatizou o Itamaraty.

A ação isralenese gerou críticas de outros países. Os Estados Unidos, aliado histórico do país, questionaram as “versões contraditórias” sobre o ataque. O presidente da Colômbia, Gustavo Petro, adotou um tom mais duro e afirmou que as mortes na fila para comida “nos lembram o Holocausto”. O Conselho de Segurança das Nações Unidas deve se reunir em caráter emergencial para tratar do ataque.

 

 

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação