Diversidade

Jogos com personagens gays serão censurados na China

Governo chinês alega que novas regras visam defender o que chamam de valores corretos,mas barra personagens gays, ampliando o preconceito à população LGBTQIA+

Izabella Caixeta - Estado de Minas
postado em 04/10/2021 15:32 / atualizado em 04/10/2021 15:33
 (crédito: RODNAE Productions no Pexels)
(crédito: RODNAE Productions no Pexels)

O governo chinês divulgou que implementará novas regras aos jogos digitais no país. Dentre elas, a censura a personagens gays, afeminados ou que o gênero não seja imediatamente reconhecido.

De acordo com um memorando divulgado pela South China Morning Post, os jogos não são considerados apenas para entretenimento, mas como uma forma de arte e devem seguir e divulgar os valores tradicionais chineses.

Elementos históricos, como fatos, personagens, mapas e vestimentas devem ser representados fielmente e os enredos devem der limites morais bem definidos, com o personagem jogável sempre “bom”, censurando os jogos que possibilitam a escolha da índole do personagem.

Segundo o Daily Mail, do Reino Unido, a indústria de jogos na China cresceu para 32 bilhões de libras, em 2020, e é vista como uma força para não ser controlada por Pequim. Diversas empresas, entre elas as gigantes Tencent e NetEase, que tem entre seus investimentos a Epic Games, Blizzard, Activision, Garena, Riot e Baidu, se comprometeram a adequar os conteúdos.

Escalada da censura

Oficialmente, ser homossexual na China deixou de ser crime em 1997 e foi retirada da lista de problemas mentais em 2001, entretanto o casamento de pessoas do mesmo sexo ainda é ilegal e a população LBGTQIA perde cada vez mais espaço. Há no país um esforço do governo de banir “comportamentos sexuais anormais” da mídia.

Filmes e séries, com referências a relacionamentos homossexuais, são alterados. O Segredo de Brokeback Mountain, de 2005, não pôde ser exibido na China, Bohemian Rhapsody, de 2018, teve 10 minutos de referência a homossexualidade cortados e a série Game of Thrones, tiveram cenas de nudez censuradas. Em 2019 homens com brincos tinham as orelhas borradas digitalmente para que o acessório não fosse visto em programas de TV.

Em julho deste ano mais de uma dúzia de contas LGBTQIA foram apagadas do aplicativo de mensagens WeChat e, em setembro, a agência regulatória de rádio e TV anunciou que a estética afeminada e o que consideram “homens maricas” serão banidos de programas televisivos por serem considerados “influencias vulgares”.

Além da perseguição na mídia, a população LGBTQIA na China enfrenta o preconceito da população, dificuldade de conseguir empregos e são vistos como desonra para a família. Existem casos de chineses homossexuais que são forçados a entrarem em um casamento heterossexual por pressão da família ou da sociedade.



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE