Publicidade

Correio Braziliense

Livraria envia livro ao ministro da Educação com 'corte' de 25%

O livro escolhido foi "A Metamorfose", de Franz Kafka. No começo do mês, o ministro errou o nome do autor tcheco ao chamá-lo de "kafta", uma receita de carne.


postado em 16/05/2019 18:57 / atualizado em 16/05/2019 20:47

(foto: Reprodução/Facebook )
(foto: Reprodução/Facebook )

Uma livraria do Rio de Janeiro entrou na onda das manifestações contra os cortes na Educação, e mandou um recado ao ministro Abraham Weintraub. Pelas redes sociais, a livraria mostrou uma nova edição do livro A metamorfose, de Franz Kafka, cortada, e, com a obra, um bilhete ao ministro. De acordo com a postagem, 25% do livro foi rasgado. 

 

"Excelentíssimo sr. Ministro da Educação, Abraham Weintraub, conhecendo seu apreço pela educação, em especial pela leitura de Franz Kafka, tomamos a liberdade de enviar para vossa excelência um exemplar de uma nova edição do grande clássico do escritor tcheco de expressão alemã, A metamorfose. Antecipadamente, pedimos desculpas pelo corte de 25% no livro, mas a situação das livrarias brasileiras está difícil. Temos certeza que isso não impedirá sua leitura atenta e apaixonada", diz o texto. 

 

O livro escolhido foi de Kafka, pois, no começo deste mês, o ministro errou, em discurso aos senadores, o nome do autor tcheco ao trocá-lo por "kafta", uma receita de carne.  

 

A "brincadeira" foi uma forma de protestar contra os cortes na educação anunciados pelo governo federal. Desde quarta-feira (15/5), estudantes e professores de universidades e institutos federais estão indo às ruas para pedir que o ministro reveja o contigenciamento. Um dia antes dos protestos, deputados do partido do PSL, do presidente Jair Bolsonaro, chegaram a anunciar a suspensão nos cortes, mas o Ministério da Educação desmentiu. Abraham Weintraub foi sabatinado pela Câmara dos Deputados para explicar os cortes. 

 

Em resposta, Bolsonaro chamou os manifestantes de "idiotas úteis".  

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade