Mundo

Em crise econômica, Líbano lida com explosões dias após suposto ataque terrorista frustrado por Israel

País atravessa sua pior crise econômica em décadas, marcada por depreciação monetária sem precedentes, hiperinflação, demissões em massa e restrições bancárias drásticas

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 04/08/2020 18:40
Beirute destruída após explosõesAs explosões que deixaram ao menos 50 mortos e 2.750 feridos em Beirute, nesta terça-feira (4/8), atingiram o Líbano em um momento delicado. O país atravessa sua pior crise econômica em décadas, marcada por depreciação monetária sem precedentes, hiperinflação, demissões em massa e restrições bancárias drásticas, que alimentam há vários meses o descontentamento social.

Além disso, há uma semana, após meses de relativa calma, Israel disse que frustrou um ataque "terrorista" e abriu fogo contra homens que cruzaram a "Linha Azul" entre o Líbano e Israel. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, atribuiu a infiltração ao Hezbollah, um movimento armado pró-iraniano muito influente no sul do Líbano e que o Estado judeu considera como seu inimigo.

O Hezzbollah ; que negou qualquer envolvimento com as explosões desta terça-feira ;, aliás, está no centro de um outro cenário delicado para os libaneses. Em 14 de fevereiro de 2005, um atentado com uma caminhonete carregada de explosivos atingiu o comboio do ex-primeiro-ministro Rafik Hariri, matando-o com outras 21 pessoas e ferindo mais de 200. Na sexta-feira (7/8), o Tribunal Especial do Líbano (STL), com sede na Holanda, deve emitir seu veredicto no julgamento de quatro homens, todos suspeitos de serem membros do Hezbollah, acusado de participar do assassinato de Hariri.

Explosões

As explosões, que puderam ser ouvidas até em países vizinhos, ocorreram na área portuária e, conforme uma autoridade de segurança libanesa, podem estar ligadas a "materiais explosivos" confiscados e armazenados em um armazém "por anos".

[FOTO1650180]

Nas redes sociais, moradores publicaram vídeos das explosões e do impacto delas, e relataram terem sentido os prédios tremerem. Um outro libanês comparou as explosões ao ataque com bomba atômica em Hiroshima, no Japão.

Brasil

O cônsul honorário do Líbano em Goiás, Hanna Mtanios, definiu o momento como de "muitas incertezas". O Itamaraty esclareceu, contudo, que não há registro de brasileiros entre os mortos ou feridos.

Com informações da Agência France-Presse

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação