CB.PODER

Deputada Gleide Ângelo sobre feminicídio: "Violência que está na estrutura da sociedade"

Delegada afirma que motivação por trás de sua ida para a política foi a conclusão de chegar "tarde demais" para evitar os assassinatos de mulheres no país

Maria Eduarda Angeli*
postado em 22/02/2022 16:00 / atualizado em 22/02/2022 16:02
 (crédito:  Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Entre janeiro e junho de 2021, 666 mulheres foram vítimas de feminicídio no país, conforme dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Para a candidata mais votada da história em seu estado, delegada e deputada estadual Gleide Ângelo (PSB-PE), sua eleição, há três anos, foi “um grito de socorro das mulheres em busca de representatividade”. 

A parlamentar, que acaba de assumir a Secretaria da Mulher da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale), comentou suas aspirações políticas e o cenário do feminicídio no Brasil em entrevista ao CB.Poder desta terça-feira (22/2). O programa é uma parceria entre o Correio e a TV Brasília. 

Segundo Gleide, o fato de o crime de feminicídio ser, muitas vezes, visto por pessoas do sexo masculino como sendo algo justificável é “cruel”. “É uma violência que está na estrutura da sociedade. Isso porque a gente vive numa cultura machista, patriarcal e misógina mundialmente, mas você vê que tem locais em que ela vai ficando mais grave”, analisou.

A delegada destacou ainda ser necessário ter tolerância zero para casos do tipo, especialmente porque são situações nas quais, em geral, o assassino dá sinais antes de matar. “Tem que ser tolerância zero, porque o que mais me dói é que o feminicídio, frente a outros crimes, ele é anunciado, ele é evitável, e a gente não está conseguindo evitar”.

Transição para a política

Gleide Ângelo ingressou na política nas eleições de 2018, eleita deputada estadual de Pernambuco, após quase 20 anos na polícia. Segundo ela, a intenção de concorrer ao cargo era de passar a tentar evitar os crimes em vez de apenas deter o responsável. “Minha vida toda eu trabalhei com homicídio, na DHPP (Delegacia de Homicídios de Pernambuco), fazendo local de morte. O que é o local de morte? A pessoa morreu. O que eu posso fazer? Prender. Era a parte mais fácil para mim. Era só pedir um mandato à juíza e prender”, lembrou.

“A conclusão que eu cheguei, depois de 18 anos na polícia, foi que eu só estava chegando tarde demais. ‘Eu preciso agora arrumar uma forma de trabalhar não mais para prender o assassino, mas para que a mulher não morra’, e não tem outra forma de fazer isso senão por política pública, prevenção.”

A parlamentar ressaltou que frequentemente as vítimas de feminicídio não prestam queixa do agressor. “Quando morre uma mulher de feminicídio, não morre só ela — morre ela, morrem os filhos, morre a mãe, morre a família toda”, lamentou.

Aspirações

Durante os últimos três anos em Pernambuco, a deputada deu entrada em 230 Projetos de Lei e teve 85 leis sancionadas, sendo mais de 40 com o objetivo de tirar a mulher da violência.

Embora tenha apresentado bons resultados, a entrevistada não pretende entrar na corrida para deputada federal. “A minha proposta inicial é fortalecer a política da mulher no meu estado, então eu preciso continuar lá”, disse. “Política não é profissão, não é carreira. Política são competências diferentes. Para mim, ser deputada federal não é subir de nível”, completou.

*Estagiária sob a supervisão de Andreia Castro

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE