SÃO PAULO

Quinto suspeito de sequestrar Marcelinho Carioca e amiga é preso

Ao todo, quatro pessoas já tinham sido presas em flagrante. Outros dois acusados continuam sendo procurados. Marcelinho e Taís foram sequestrados em 17 de dezembro

Ao chegar à casa de uma amiga em 17 de dezembro, Marcelinho e ela foram levados pelos bandidos — que pediram resgate à família do ex-jogador -  (crédito: Reprodução/Instagram)
Ao chegar à casa de uma amiga em 17 de dezembro, Marcelinho e ela foram levados pelos bandidos — que pediram resgate à família do ex-jogador - (crédito: Reprodução/Instagram)
postado em 07/02/2024 07:35

A Polícia Civil de São Paulo prendeu, na última sexta-feira (2/2), o quinto suspeito de participar do sequestro do ex-jogador Marcelinho Carioca e da amiga dele, Taís Alcântara de Oliveira. Ao todo, quatro pessoas já tinham sido presas em flagrante. Outros dois acusados continuam sendo procurados pelas autoridades policiais. Marcelinho e Taís foram sequestrados em 17 de dezembro do ano passado, em Itaquaquecetuba (SP).

O ex-atleta estava a caminho do show do cantor Thiaguinho em Itaquera, quando parou em Itaquaquecetuba para deixar um ingresso para Taís. Ao chegar à casa da amiga, ele e ela foram levados pelos bandidos — que pediram resgate à família do ex-jogador. Foram feitas duas transferências via Pix, uma de R$ 30 mil e outra de R$ 12 mil. A quadrilha ainda cobrou uma terceira transferência, que não foi feita.

Segundo Marcelinho, ele foi obrigado pelos criminosos a fazer um vídeo com uma versão mentirosa sobre o motivo do sequestro. Na gravação, ele está com o olho esquerdo inchado e roxo e diz ter sido levado por causa do suposto relacionamento com a mulher — que também aparece no vídeo. "Estava em um show, em Itaquera, curtindo um samba. Saí com uma mulher, que é casada, e eu fui saber depois. O marido dela me sequestrou, me levou", disse.

Taís, que foi apontada no vídeo de ter um caso com o jogador, trabalhou com ele na Secretaria de Esporte e Lazer de Itaquaquecetuba. Marcelinho foi secretário da pasta até 2022, quando saiu para seguir outros objetivos. Em coletiva de imprensa, ele afirmou que é amigo de Taís há três anos e que nunca teve qualquer envolvimento amoroso com ela. Os amigos foram libertados pela Polícia Militar em 18 de dezembro.

 

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação