OCORRÊNCIA

Polícia encontra corpo não identificado em área próxima ao Parque Olhos D'Água

Bombeiros e agentes da Polícia Civil recolheram um corpo na região da 413/414 Norte, neste sábado (21/11). Investigadores tentam descobrir circunstâncias da morte

Ricardo Daehn
postado em 21/11/2020 22:27
Em setembro de 2018, caso semelhante aconteceu no mesmo local -  (crédito: Ana Rayssa/ CB DA Press)
Em setembro de 2018, caso semelhante aconteceu no mesmo local - (crédito: Ana Rayssa/ CB DA Press)

Agentes da 2ª Delegacia de Polícia Civil (Asa Norte) recolheram um corpo encontrado, na manhã deste sábado (21/11), próximo ao Parque Olhos D'Água. Militares do Corpo de Bombeiros auxiliaram nos trabalhos, na região da 413/414 Norte. "O corpo ainda não foi identificado, e a ocorrência segue em andamento, sem mais detalhes", afirmou a delegada Bruna Eiras, chefe da unidade policial.

Em Brasília, casos de violência nas áreas de parques têm chamado a atenção, dada a frequência dos crimes. Um dos mais recentes ocorreu em 20 de outubro, quando uma mulher foi levada ao Hospital de Base com múltiplos cortes nas mãos, pernas, nos braços, no abdômen e no pescoço, feitos com uso de arma branca. A vítima, de 33 anos, estava na região do Castelinho do Parque da Cidade.

No mesmo local, em 20 de janeiro, a morte de Luiz Dourado Viana Silva, 31, deixou incertezas quanto ao ocorrido. Sem marcas de violência, o corpo dele foi achado por um segurança. Policiais indicaram a possibilidade de assassinato, que não foi descartada, mas também levaram em conta a possibilidade de overdose de drogas.

Há dois anos, Brasília teve registrou outros dois casos de violência em cenários semelhantes. Em 26 de setembro, com marca de ao menos 10 tiros, o corpo de Layryelle Máximo Moreira, 21, foi achado também no Parque Olhos D'Água. Cães farejadores ajudaram a recuperar o corpo da vítima, que estava desaparecida havia um dia. Ela morava com o marido em um barraco, na região próxima à Universidade de Brasília (UnB).

Também em 2018, outro crime estarreceu a população. Com traumas na face e sem roupas, o corpo de Robson Milton Santos, 40, tinha sinais de espancamento quando o Corpo de Bombeiros confirmou a morte dele, no estacionamento do Pavilhão do Parque de Exposições do Parque da Cidade. A vítima foi assassinada em 15 de dezembro, ao participar de uma festa no local. Diogo José das Neves assumiu o crime, depois de ser preso, no Setor Leste do Gama.

Em maio de 2017, Mateus Chaves Pinto, 21, foi encontrado morto perto do Nicolândia. Em dezembro daquele ano, um vigilante achou o corpo de Ricardo Pio Rodrigues, 42, no Estacionamento 2 do Parque da Cidade. Ele tinha marca de um tiro no peito. O funcionário da Latam Cargo foi assassinado pelo ex-companheiro, preso dias depois do crime.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE