Pandemia

Covid-19: TCDF fiscaliza possíveis irregularidades em plano de vacinação

A Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF) deve apresentar, no prazo de 15 dias, esclarecimentos ao Tribunal de Contas do DF (TCDF)

Correio Braziliense
postado em 04/05/2021 08:37 / atualizado em 04/05/2021 10:06
 (crédito: Arquivo)
(crédito: Arquivo)

O Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) determinou que a Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF) apresente, no prazo de 15 dias, esclarecimentos sobre possíveis irregularidades relacionadas aos critérios de vacinação para combate à covid-19 adotados na capital.

De acordo com representação formulada pelo Ministério Público (MP) junto ao TCDF, todos os servidores da Fundação Hemocentro de Brasília (FHB), inclusive aqueles que realizam atividades administrativas, foram vacinados contra a covid-19 antes do início da imunização dos profissionais de saúde que atuam na área privada e de alguns idosos. As informações foram confirmadas em ofício assinado pelo presidente do Hemocentro em 30 de março.

As supostas irregularidades, porém, não teriam alcançado somente os servidores da FHB. O conselheiro relator do processo registrou que, na apuração em curso no TCDF, há evidências de ilegalidade ou irregularidade praticadas pela SES, em razão de a pasta estar promovendo, ou ter promovido, a vacinação contra a covid-19 dos trabalhadores de saúde da rede pública, voltados à atenção à saúde, e dos empregados de determinados entes públicos, como FHB, Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF) e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), incluindo a vacinação de todo o pessoal da área administrativa, antes da aplicação da vacina nos profissionais de saúde da iniciativa privada.

Entenda o caso

Em 19 de janeiro, foi expedido o Ofício Circular n.º 1/2021, pela Diretoria da Estratégia Saúde da Família, unidade vinculada à Coordenação de Atenção Primária à Saúde da SES, elencando os grupos que seriam priorizados na primeira fase da vacinação no DF. Menos de uma semana depois, em 25 de janeiro, foram publicadas novas regras, agora pelo Comitê Gestor de Operacionalização da Vacinação contra a covid-19, ligado à Secretaria Adjunta de Assistência à Saúde.

Com as novas regras válidas a partir de 25 de janeiro, a secretaria de saúde reduziu a cobertura para os profissionais de saúde que atuam na iniciativa privada e até para alguns grupos de idosos. Enquanto isso, foi ampliada a vacinação para os servidores de todos os níveis de atenção à saúde da pasta e para os servidores pertencentes a alguns entes públicos. Além da FHB, do Iges-DF e do Samu, também foram contemplados servidores da Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde (FEPECS) e da Administração Central (ADMC), o que, na prática, teria beneficiado servidores até de áreas administrativas dessas instituições e da própria secretaria de saúde.

Em nota, a Secretaria de Saúde informou que "responderá todos os questionamentos do órgão requerente dentro do prazo estabelecido".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE