Pandemia

Quinze crianças e adolescentes tiveram síndrome pós-covid

Foram sete registros de crianças de 0 a 4 anos, sete casos em crianças de 5 a 9 anos e um caso entre a faixa etária de 10 a 14 anos. Não houve óbito

Ana Maria Pol
postado em 25/09/2021 11:31
 (crédito: Breno Esaki/Agência Saúde DF)
(crédito: Breno Esaki/Agência Saúde DF)

Levantamento da Secretaria de Saúde do DF mostra que de janeiro a 20 de setembro, foram notificados 15 casos de síndrome pós-covid em crianças e adolescentes. A Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) é quando o organismo desenvolve uma resposta inflamatória sistêmica significativa, manifestada após contaminação com o novo coronavírus ou contato próximo com caso confirmado da covid-19.

Segundo a Secretaria, a síndrome está sendo associada à covid-19 porque exames laboratoriais indicaram infecção atual ou recente pelo novo coronavírus ou ainda vínculo epidemiológico com caso confirmado da doença. Apesar de ser considerada rara, pode ser grave em alguns casos.

“Embora rara, a doença já foi classificada pelo Ministério da Saúde como de notificação obrigatória. Por isso é importante a identificação precoce para início do tratamento e a notificação por parte do profissional da saúde”, explica a médica e responsável pela área técnica das Doenças Exantemáticas da Secretaria de Saúde, Marília Higino.

Dos 15 casos registrados em 2021, sete são do sexo feminino e oito do masculino. Foram sete registros de crianças de 0 a 4 anos, sete casos em crianças de 5 a 9 anos e um caso entre a faixa etária de 10 a 14 anos. Não houve óbito.

Em 2020, os casos começaram a ser notificados em julho. Até dezembro de 2020, foram 47 casos confirmados, 23 são do sexo feminino e 24 do masculino. Foram 18 casos de crianças de 0 a 4 anos, 12 em crianças de 5 a 9 anos, 16 casos entre o grupo de 10 a 14 anos e 1 caso em adolescentes de 15 a 19 anos. Em 2020, foi registrada a morte de uma adolescente de 17 anos. 

Sintomas

A maioria dos casos relatados no Brasil e no mundo de crianças com suspeita da Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica apresentou febre persistente por mais de três dias, acompanhada de um conjunto de sintomas que podem incluir manchas vermelhas pelo corpo, pressão baixa, conjuntivite, sinais de inflamação no nariz, mãos ou pés, problemas gastrointestinais agudos (diarreia, vômito ou dor abdominal, comprometimento de múltiplos órgãos e alteração dos marcadores inflamatórios.

Os exames laboratoriais dos casos estudados indicam infecção atual ou recente pelo novo coronavírus ou ainda vínculo epidemiológico com caso confirmado da doença. Por isso, a síndrome está sendo associada à covid-19, porém essa relação causal ainda não foi estabelecida e permanece em investigação.

*Com informações da Secretaria de Saúde do DF

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE