CCBB

Homenagem a Brasília: últimos dias para conferir exposição do Correio

Exposição Brasília e Correio Braziliense: 61+1 anos de história fica disponível para visitação do público até a próxima sexta-feira (20/5)

Carlos Silva*
postado em 14/05/2022 06:00
Painéis reúnem capas do Correio publicadas em 21 de abril desde 1960. Mostra homenageia história de Brasília e do jornal, inaugurados na mesma data -  (crédito:  Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Painéis reúnem capas do Correio publicadas em 21 de abril desde 1960. Mostra homenageia história de Brasília e do jornal, inaugurados na mesma data - (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

O Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) recebe, pelo último fim de semana, a exposição Brasília e Correio Braziliense: 61+1 anos de história. Os visitantes têm até a próxima sexta-feira para conhecer mais sobre a história da capital do país contada nas páginas do jornal. A mostra exibe todas as capas do impresso publicadas em 21 de abril, desde o nascimento dele e da cidade, na mesma data, em 1960.

A exposição começou no aniversário de Brasília deste ano e tem recebido visitas, principalmente, no fim de semana. Gerente técnica da exposição, Renata Pinheiro comenta que um dos destaques das atividades é a redação-mirim, oficina em que as crianças podem desenvolver a própria capa de jornal. "Elas desenham e escrevem e ficamos surpresos por ver algumas delas pensando no futuro; falando até em ser jornalistas e trabalhar no Correio", conta Renata.

  • Kleiton Melo ao lado da capa que trata do assassinato do índio Galdino Carlos Silva/CB/D.A.Press
  • A pedagoga Maria Salete conferiu a primeira página do ano em que nasceu Carlos Silva/CB/D.A.Press

O público que interage com a exposição tem curiosidade para conferir a primeira página de 21 de abril do ano em que nasceram. Ontem, visitantes relembraram momentos importantes da história. Assim que chegou, Kleiton Melo, 25 anos, procurou a capa de 1997. A manchete tratava da morte do índio Galdino Jesus dos Santos, queimado enquanto dormia por jovens de classe média-alta.

Kleiton soube da notícia pelos pais. "Foi um fato que deixou todos tristes", lamenta. Em relação às outras capas, o morador de Sobradinho ficou interessado pelos temas e pelas mudanças gráficas. "É muito bacana. Há muita coisa que nunca vi, porque ocorreram antes de eu nascer. E, com o tempo, a diagramação melhorou. Juntaram mais elementos, não só textuais, o que deu destaque ao que era notícia", compara.

Moradora da Asa Norte, a pedagoga Maria Salete, 58, acompanhou a evolução do jornal e elogiou as formas que o Correio contou histórias de Brasília. Em 1964, quando ela nasceu, a primeira página de 21 de abril destacava o quarto aniversário da capital federal. "Faltou algo sobre a tensão que o país vivia à época do golpe militar (em 31 de março daquele ano), mas gostei bastante (da capa). Aqui é a cidade do coração e onde escolhi morar. Precisamos retomar histórias positivas, valores, políticas públicas e tudo o que nos faz bem", avalia.

O orientador educacional Antônio Carlos, 59, também prestigiou a exposição. Para ele, um dos destaques está na forma que o jornal acompanhou os acontecimentos de Brasília. "A mostra apresenta o que ocorreu de relevante, e o Correio teve papel fundamental para informar os brasilienses. Particularmente, sempre li o impresso, e tinha de tudo: desde (informações sobre) política até conteúdos a respeito de atividades lúdicas na cidade", recorda-se.

Programe-se

Exposição Brasília 61 + 1 anos de história
Local: Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) Brasília — SCES, Trecho 2, Lote 22
Funcionamento: de terça-feira a domingo, das 9h às 21h
Período: até sexta-feira (20/5)
Informações: 61 3108-7600 e bb.com.br/cultura
Mídias sociais: @ccbb.brasilia (Facebook); @ccbb_df (Twitter); @ccbbbrasilia (Instagram); @bancodobrasil (YouTube)

*Estagiário sob a supervisão de Jéssica Eufrásio 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE