Fiscalização

Número de multas a donos de lotes abandonados aumenta no DF

O levantamento é dos quatro primeiros meses de 2022. Entre janeiro e abril de 2022 foram entregues 205 notificações para que os responsáveis realizassem a limpeza do lote contra 77 no ano passado

Correio Braziliense
postado em 20/05/2022 15:23
 (crédito: Divulgação / DF Legal)
(crédito: Divulgação / DF Legal)

Nos primeiros quatro meses de 2022, o número de multas aplicadas a donos de lotes abandonados que não se atentam à necessidade de limpeza dessas áreas aumentou, se comparado ao mesmo período de 2021. Entre janeiro e abril de 2022 foram entregues 205 notificações para que os responsáveis realizassem a limpeza do lote contra 77 no ano passado.

O número mais expressivo diz respeito ao número de multas aplicadas. Enquanto em 2021 foram cinco multas, em 2022 esse número saltou para 25 em quatro meses. De acordo com a Secretaria DF Legal, o número se justifica pelo aumento do número de ações fiscais em lotes abandonados — ou vazios, conforme termo técnico — por todo o Distrito Federal. Em 2022 foram realizadas 930 vistorias a lotes vazios, contra 748 no mesmo período de 2021.

O aumento da fiscalização tem como objetivo conter o avanço da dengue no Distrito Federal e para evitar a proliferação de pragas, como ratos e baratas, no meio urbano. “A saída das nossas equipes da força-tarefa da covid-19 permitiu a ampliação e maior dedicação das nossas equipes às nossas atribuições, dentro da Sufir. Agora, nosso planejamento é aumentar o trabalho, especialmente no combate ao descarte irregular de resíduos sólidos”, explica o subsecretário José Ribamar.

Ribamar destaca, ainda, que o DF Legal é uma das pastas que compõem o Comitê de Combate à Dengue, da Secretaria de Saúde. Com os dados em mãos, a coordenação da subsecretaria destina seus inspetores para as áreas com maior índice de casos para buscar, por meio de ações de fiscalização, reduzir o número de infecções.

Fiscalização

As ações de fiscalização de lotes vazios são uma atribuição da Subsecretaria de Fiscalização de Resíduos Sólidos (Sufir). Por meio de demandas da população, via site da Ouvidoria-Geral do Distrito Federal ou pelo telefone 162, inspetores se deslocam aos endereços e realizam a vistoria do local.

Depois de identificar os responsáveis de imediato, os inspetores os notificam para que em um prazo de 10 a 30 dias, dependendo da situação, realizem a limpeza do lote. Após o término do tempo, o dono é multado em 3% do valor do lote. Se mesmo assim o local não for limpo, o poder público poderá realizar a limpeza e cobrar os custos do proprietário legal.

Identificação e autuação

Uma das principais dificuldades dos inspetores é a identificação dos donos dos lotes. Para que a fiscalização seja efetiva, os fiscais pesquisam diversos bancos de dados, como o da Secretaria de Economia, para verificar quem consta como dono, por meio do Imposto sobre Propriedade Territorial Urbano (IPTU).

Quando o responsável é identificado e não é possível que a notificação seja entregue em mãos, outros bancos de dados são pesquisados e, por meio de correspondência, os Correios entregam a notificação na residência deles. O trabalho já rendeu aviso de ação fiscal até fora do Brasil.

Denuncie

A Secretaria DF Legal pede que a população busque contribuir com a fiscalização. Devido ao tamanho do Distrito Federal, não há como cobrir todos os cantos da cidade. Por isso, aqueles que quiserem ajudar podem fazê-lo pelo telefone 162 ou ainda pelo site da Ouvidoria.

As fiscalizações ocorrem todos os dias, inclusive aos finais de semana e feriados, de acordo com escala de plantão e programação.

*Com informações da Secretaria DF Legal

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE