Saúde

Varíola dos macacos: entenda como são monitorados os casos suspeitos

Até o momento, o DF registrou um caso confirmado da doença e outro que segue em análise

Correio Braziliense
postado em 05/07/2022 15:34
Quando uma pessoa procura as unidades da rede pública com sintomas de febre e erupções cutâneas, um profissional de saúde vai coletar os dados e fazer o exame clínico -  (crédito:  HANDOUT)
Quando uma pessoa procura as unidades da rede pública com sintomas de febre e erupções cutâneas, um profissional de saúde vai coletar os dados e fazer o exame clínico - (crédito: HANDOUT)

Com o aumento de casos de varíola dos macacos em diversos países do mundo, o sinal de alerta acende também no território brasileiro. Especificamente no Distrito Federal, a Secretária de Saúde criou um série de protocolos para tentar lidar com os casos. Tanto para os pacientes que tenham recebido o diagnostico positivo para a doença, como os de casos suspeitos, a pasta monitora desde a notificação dos casos possíveis até o envio para o sequenciamento genético e o tratamento. Vale lembrar que até o momento, o DF tem um caso confirmado da doença e outro que segue em análise, além disso a pasta não identificou casos de transmissão comunitária na capital.

Primeiro contato com a suspeita

Segundo Secretaria, quando uma pessoa procura as unidades da rede pública com sintomas de febre e erupções cutâneas, um profissional de saúde vai coletar os dados e fazer o exame clínico. Após isso, a Vigilância Epidemiológica é comunicada sobre a suspeita de infecção por varíola dos macacos. Segundo Nota Técnica Conjunta da secretaria, esse comunicado deve ser feito em até 24 horas — além do paciente ser informado imediatamente de que se trata de um caso suspeito.

Além disso, quando um caso é considerado suspeito, a Secretaria de Saúde inicia a identificação e o rastreamento de possíveis contatos do paciente, com o objetivo de estabelecer as medidas necessárias de prevenção da disseminação do vírus para outras pessoas. “Desta forma, vamos compreender melhor a epidemiologia da doença para subsidiar a implementação das ações de saúde pública no Distrito Federal”, destaca o diretor de Vigilância Epidemiológica, Fabiano dos Anjos Martins.

Investigação e cuidados

Com as informações de casos suspeitos, a Vigilância Epidemiológica inicia a investigação com levantamento de dados, como entrevista telefônica, visita domiciliar, revisão de prontuários, exames, laudos e outros documentos. Para isso, também é necessário obter informações sobre viagens, exposições e contatos que o paciente apresentou no período provável de exposição ao vírus. Esse intervalo é de até 21 dias antes do início dos sinais e sintomas, considerando o período de incubação da doença.

A investigação epidemiológica é feita pelas equipes de saúde da família com supervisão dos Núcleos de Vigilância Epidemiológica e Imunização (NVEPI) das regiões, de acordo com o local de residência do caso suspeito. Segundo a Secretaria, o DF conta com 611 equipes de saúde da família, sendo 6.992 profissionais lotados em 675 unidades básicas de saúde (UBSs).

Segundo o diretor de Vigilância Epidemiológica, Fabiano dos Anjos, os pacientes suspeitos são orientados a manter o isolamento domiciliar até a resolução completa das lesões. Caso haja piora do quadro geral, eles devem procurar atendimento após contato prévio com sua unidade de saúde de referência. “Pode ser UPA ou UBS, o importante é evitar se deslocar muito para não correr o risco de disseminar a doença”, ressalta o profissional.

Sem indicação de internação hospitalar e apresentando um bom estado de saúde, o paciente deverá aguardar o resultado do exame em isolamento domiciliar. As amostras colhidas pela epidemiologia são encaminhadas ao Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen). A confirmação diagnóstica se dá por testes moleculares (RT-PCR – como os de covid-19), que detectam sequências específicas do vírus em amostras do paciente.

Quanto aos cuidados com o paciente, a orientação clínica é voltada ao alívio dos sintomas, gerenciamento de possíveis complicações e prevenção de sequelas a longo prazo. Os pacientes devem receber hidratação e alimentos para manter o estado nutricional adequado. Além das unidades de atenção básica (UBSs), as unidades de pronto atendimento (UPAs) estão prontas para receber pacientes com suspeita de varíola dos macacos.

*Com informações da Secretaria de Saúde do DF

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE