IMUNIZAÇÃO

Covid-19: nova vacina começa a ser aplicada nesta quarta-feira (15/5)

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) vai aplicar 32,8 mil doses em públicos específicos. De acordo a pasta, a nova vacina, SpikeVax, protege contra mais variantes do coronavírus. Saiba como funciona o esquema vacinal e quem pode receber o imunizante

Cerca de 700 doses foram aplicadas nessa quinta (25/5) -  (crédito: Tânia Rego/Agência Brasil)
Cerca de 700 doses foram aplicadas nessa quinta (25/5) - (crédito: Tânia Rego/Agência Brasil)

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) inicia, nesta quarta-feira (15/5), a aplicação do imunizante SpikeVax, da fabricante Moderna, contra a covid-19. Segundo a pasta, foram recebidas 32,8 mil doses da vacina, que devem ser aplicadas em públicos específicos e, também, como dose de reforço a pessoas de grupos prioritários. A lista dos locais de vacinação está disponível no site da pasta

A gerente da Rede de Frio da SES-DF, Tereza Luiza Pereira, alerta que receber a nova vacina é fundamental para atualizar a proteção contra o vírus. "A SpikeVax traz proteção para variantes que surgiram mais recentemente e suas sublinhagens, como é o caso da VOI JN.1 e a VOI XBB 1.5", explica.

Os imunizantes serão aplicados em crianças de até 4 anos, 11 meses e 29 dias, conforme o calendário de rotina, e em pessoas do grupo prioritário, que devem tomar uma dose ao ano da nova vacina, independentemente do número de doses prévias de vacinas covid-19. No caso de pessoas com mais de 60 anos, imunocomprometidos e gestantes/puérperas, a orientação é receber uma dose a cada seis meses.  Quem estiver nestas três condições e tiver tomado a vacina Pfizer Bivalente em 2024 deve retornar três meses após a dose aplicada. 

A dose da Moderna pode ser administrada juntamente com outras vacinas, exceto a da dengue. Na prática, é possível atualizar diversos esquemas vacinais simultaneamente, incluindo, por exemplo, a vacina contra a gripe (influenza), tétano, febre amarela etc., sempre de acordo com o calendário vacinal.

Para receber o imunizante, é necessário levar documento de identidade com foto e a caderneta de vacinação. Pessoas dos grupos prioritários precisam ainda levar laudos médicos que apontem as comorbidades listadas ou comprovantes das atividades profissionais previstas, conforme o caso.

Confira os públicos para a vacina SpikeVax:

  • Crianças de 6 meses a 4 anos, 11 meses e 29 dias, conforme o calendário de vacinação;
  • Pessoas com 60 anos ou mais;
  • Pessoas que vivem em instituições de longa permanência;
  • Pessoas imunocomprometidas;
  • Gestantes e puérperas;
  • Trabalhadores da saúde;
  • Pessoas com deficiência permanente;
  • Pessoas com comorbidades;
  • Pessoas privadas de liberdade;
  • Adolescentes cumprindo medidas socioeducativas;
  • Funcionários do sistema de privação de liberdade;
  • Ribeirinhos;
  • Quilombolas;
  • Indígenas.

 

Indivíduos imunicomprometidos ou em condição de imunossupressão que devem receber a vacina:

  • Pessoas transplantadas de órgão sólido ou medula óssea;
  • Pessoas vivendo com o vírus da imunodeficiência humana (HIV);
  • Pessoas com doenças inflamatórias imunomediadas em atividade e em uso de corticoide em doses iguais ou maiores que 20mg/dia de prednisona, ou equivalente, por 14 dias ou mais;
  • Crianças de até 10 kg que receberam 2 mg ou ou mais de prednisona por dia, por mais de 14 dias;
  • Pessoas em uso de imunossupressores e/ou imunibiológicos que levem à imunossupressão;
  • Pessoas com erros inatos de imunidade (imunodeficiênias primárias);
  • Pessoas com doença renal crônica em hemodiálise;
  • Pacientes oncológicos que realizam ou realizaram tratamento;
  • Quimioterápico ou radioterápico e estão em acompanhamento;
  • Pessoas com neoplasias hematológicas.

 

Comorbidades incluídas como prioritárias:

  • Diabetes mellitus;
  • Pneumopatias crônicas graves;
  • Hipertensão arterial resistente (HAR);
  • Hipertensão arterial estágio 3;
  • Hipertensão arterial estágios 1 e 2 com lesão em órgão-alvo;
  • Insuficiência cardíaca;
  • Cor pulmonale e hipertensão pulmonar;
  • Cardiopatia hipertensiva;
  • Síndromes coronarianas;
  • Valvopatias;
  • Miocardiopatias e pericardiopatias;
  • Doenças da aorta, dos grandes vasos e fístulas arteriovenosas;
  • Arritmias cardíacas;
  • Cardiopatias congênitas em adultos;
  • Próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados;
  • Doenças neurológicas crônicas e distrofias musculares;
  • Doença renal crônica;
  • Hemoglobinopatias e disfunções esplênicas graves;
  • Obesidade mórbida (IMC maior ou igual a 40);
  • Síndrome de down e outras trissomias;
  • Doença hepática crônica.

*Com informações da Agência Brasília

 

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

postado em 15/05/2024 10:27
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação