VAI COMEÇAR

Dez anos após acidente nuclear, Fukushima recebe primeiro jogo das Olimpíadas

Miyagi, que teve bairros inteiros devastados pelo tsunami em 2011, será o palco para a seleção brasileira de futebol fazer sua estreia nos jogos

Thays Martins
postado em 20/07/2021 16:29 / atualizado em 20/07/2021 16:32
 (crédito: CHARLY TRIBALLEAU/ AFP)
(crédito: CHARLY TRIBALLEAU/ AFP)

Dez anos após o acidente nuclear em Fukushima, a cidade será palco do primeiro jogo das Olimpíadas. A partida de softbol entre o anfitrião Japão e a Austrália será no Fukushima Azuma Baseball Stadium, a quase 300 km de Pequim, nesta terça-feira (20/7), às 21h (horário de Brasília), antes mesmo da abertura oficial do evento, que será na sexta-feira (23/7).

A escolha de Fukushima como uma das subsedes de apoio para os Jogos Olímpicos fazem parte do chamado "Os Jogos da Recuperação", que também contemplarão a província de Miyagi.  Em 2011, essas cidades foram atingidas por um terremoto seguido por um tsunami, o que provocou o acidente nuclear na usina de Fukushima, o maior desde 1986 quando um reator de Chernobyl explodiu. A intenção do Japão é mostrar para o mundo que conseguiu reconstruir as cidades.

A organização dos jogos garante que os níveis de radioatividade no estádio são baixos o suficiente para garantir a segurança dos atletas. O Fukushima Azuma Baseball Stadium fica a cerca de 90 Km de distância do local do acidente e os medidores instalados ao redor do estádio apontam níveis de radioatividade abaixo dos aceitos pela Associação Nuclear Mundial.

Fukushima receberá os jogos da primeira fase do softbol, modalidade muito popular no Japão e que esteve fora das duas últimas Olimpíadas, e do beisebol.

Apesar da área em que fica o estádio está fora do raio de radioatividade, ainda existem cidades inteiras inabitadas por causa dos altos graus de radioatividade, onde os níveis chegam a 50 vezes o aceitável. Toda uma localidade que fica há cerca de 20 km da usina está na área de exclusão.

Miyagi, outra província que teve bairros inteiros devastados pelo tsunami em 2011, será o palco para a seleção brasileira de futebol fazer sua estreia nos jogos. A partida desta quarta-feira (21/7) será na cidade de Rifu, em Miyagi, a partir das 5h (horário de Brasília).

Relembre o acidente

Em março de 2011 um terremoto de magnitude 8,9 graus na escala Richter atingiu o leste do Japão, o que provocou um tsunami de 19 metros, que atingiu Iwate, Miyagi e Fukushima. O impacto da água destruiu três reatores da usina nuclear de Fukushima, que explodiram devido ao acumulo de hidrogênio.

A radiação contaminou mais de mil quilômetros quadrados e mais de 160 mil pessoas tiveram que ser evacuadas. De acordo com a prefeitura de Fukushima, ainda hoje 37 mil ex-moradores não puderam voltar para as suas casas.

Ao todo, o triplo acidente provocou a morte de mais de 18 mil pessoas.

  • Esta foto aérea tirada de uma aeronave fretada pela Jiji Press mostra o local do deslizamento na via expressa Joban em Soma, Fukushima
    Esta foto aérea tirada de uma aeronave fretada pela Jiji Press mostra o local do deslizamento na via expressa Joban em Soma, Fukushima Japan OUT / AFP / JIJI PRESS / STR
  • Esta foto tirada em 27 de fevereiro de 2021 mostra uma casa abandonada dentro da zona de exclusão em Okuma, Prefeitura de Fukushima
    Esta foto tirada em 27 de fevereiro de 2021 mostra uma casa abandonada dentro da zona de exclusão em Okuma, Prefeitura de Fukushima PHILIP FONG/ AFP
  • Membros do corpo de bombeiros da cidade de Tomioka conduzem operações para procurar pistas sobre pessoas desaparecidas desde os desastres de 2011,
    Membros do corpo de bombeiros da cidade de Tomioka conduzem operações para procurar pistas sobre pessoas desaparecidas desde os desastres de 2011, KAZUHIRO NOGI/ AFP
  • Membros da brigada de incêndio da cidade de Tomioka conduzem operações para procurar pistas sobre pessoas desaparecidas desde os desastres de 2011, nas margens perto da Usina Nuclear de Fukushima Daini em Tomioka
    Membros da brigada de incêndio da cidade de Tomioka conduzem operações para procurar pistas sobre pessoas desaparecidas desde os desastres de 2011, nas margens perto da Usina Nuclear de Fukushima Daini em Tomioka KAZUHIRO NOGI/ AFP
  • O portador da tocha Rio Suzuki, um estudante do ensino médio, chega com a tocha olímpica apagada antes do início do segundo dia do revezamento da tocha dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 no Santuário Somanakamura na cidade de Soma, província de Fukushima em março
    O portador da tocha Rio Suzuki, um estudante do ensino médio, chega com a tocha olímpica apagada antes do início do segundo dia do revezamento da tocha dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 no Santuário Somanakamura na cidade de Soma, província de Fukushima em março AFP / CHARLY TRIBALLEAU
  • Ativistas ambientais sul-coreanos usando máscaras de gás seguram cartazes durante um protesto contra a decisão do Japão de despejar águas residuais de Fukushima no mar, perto da embaixada japonesa em Seul
    Ativistas ambientais sul-coreanos usando máscaras de gás seguram cartazes durante um protesto contra a decisão do Japão de despejar águas residuais de Fukushima no mar, perto da embaixada japonesa em Seul JUNG YEON-JE/ AFP
  • Vista área da usina nuclear de Fukushima, hoje desativada
    Vista área da usina nuclear de Fukushima, hoje desativada Japan OUT / AFP / JIJI PRESS / JIJI PRESS / STR

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE