Falas negras

Lázaro Ramos dirige especial que vai das conquistas às dores do negro

Em novo trabalho de direção, por meio de falas poderosas, o diretor baiano Lázaro Ramos consagra a beleza e a ancestralidade, mas também lembra da dor de feridas abertas pela escravidão e pelo racismo.

Lisa Veit*
postado em 20/11/2020 07:30 / atualizado em 20/11/2020 19:52
Lázaro Ramos assina a direção do especial 'Falas negras' -  (crédito: Victor Pollak/Globo)
Lázaro Ramos assina a direção do especial 'Falas negras' - (crédito: Victor Pollak/Globo)

Para conhecer a linguagem autoral de Lázaro Ramos é preciso ouvi-lo, lê-lo, assisti-lo. Ficar atento às perguntas que ele faz. Assinando mais uma vez a direção de uma obra audiovisual, Lázaro apresenta, nesta sexta-feira (20/11), Dia Nacional da Consciência Negra, o especial Falas negras, na TV Globo. Motivado por fatos da história recente, como as mortes de George Floyd, João Pedro Mattos e do menino Miguel, o telefilme traz a proposta de contar, em primeira pessoa, a história de 22 personagens da vida real que tiveram importantes contribuições para a história da causa negra, entre 1600 e 2020. Sobre a proposta feita por Manuela Dias, Lázaro, diretor da atração, compartilhou com o Correio como encarou o que considera “ talvez o maior desafio pessoal”.

“A princípio, não aceitei porque é um assunto muito emocional para mim, e não sabia como eu lidaria com isso. Mas, quando eu tive contato com os textos, entendi que era um convite a olhar com maturidade para o que a história produziu nessa luta antirracismo, por justiça e liberdade. Afinal, ali não tem ficção”, destaca o artista. As temáticas sociais e políticas estão frequentemente inseridas nos projetos de Lázaro, o que para ele é algo difícil, mas é também a assinatura que busca com realizador. “Trabalho muitas vezes com essas temáticas e sempre me imponho o desafio de criar uma narrativa. Isso é difícil, porque existem amarras, mas é a minha proposta como diretor: para além do conteúdo, eu tenha também como provocar sensações por meio da linguagem”, completa.

Linguagem

Com o apoio da equipe técnica e a habilidade cênica do elenco, composto por nomes consagrados e novos talentos, o diretor pôde colocar essa proposta em prática, trabalhando as simbologias por trás de cada fala. “A história de cada um será apresentada com uma certa simplicidade — serão trechos e momentos —, mas tendo uma força estética por meio de enquadramentos e da textura que Mauro Vicente criou para o fundo. Mas o foco mesmo, o meu trabalho de direção, foi sempre valorizar a palavra”, diz o diretor. “Isso só foi possível realizar por causa da parceria com a equipe que estava imbuída desse espírito de criar essa linguagem. Mas eu tenho sido muito feliz, porque acho que é um caminho importante de ser explorado.”

De forma remota, Lázaro conduziu por 10 dias os ensaios com o elenco, para, em seguida, iniciar as gravações. “Todos os atores e atrizes, sem exceção ficaram muito nervosos quando chegaram para gravar. Eu, a princípio, não entendi, mas, depois, compreendi que todo mundo estava se sentindo responsável por dar o melhor, por entender que esse é um momento raro”, ressalta.

Caminho autoral

São muitas as contribuições da carreira do multi-artista baiano para a cultura nacional. Isso se confere no teatro, no cinema, nos livros, nas redes, em entrevistas e nos trabalhos na tevê. Desde que decidiu ser ator, aos 15 anos, em Salvador, como parte do Bando de Teatro Olodum, Luís Lázaro Sacramento de Araújo Ramos vem aprimorando a composição de sua obra, e trazendo com ele um generoso acervo artístico, intelectual e cultural. O ator também tem uma parceria de sucesso com a célebre atriz Taís Araújo, com quem é casado há 15 anos, na vida e na arte. O afilhado de Dindinha/Dona Lenita se tornou um espelho de diversas gerações.  

Dentre as identidades que assumiu na ficção, Madame Satã, Foguinho, Ezequiel, Roque, o herói capoeirista Zé Maria dos Santos, André, Martin Luther King, Éder, Evilásio Caó, Mister Brau, entre outros, marcaram a carreira de Lázaro. Na literatura, além de Na minha pele (2017), escreveu os livros infantis Sinto o que sinto: E a incrível história de Asta e Jaser (2019), Cadernos sem rima da Maria (2018), Caderno de rimas do João (2015), A velha sentada (2010). Na direção, Lázaro assina peças, como O topo da montanha; A menina Edith e a velha sentada; documentários, como Zózimo Bulbul e Bando, um filme de…; e o primeiro longa-metragem, Medida provisória — O filme, que ainda espera a estreia. O mais recente trabalho, Falas negras, estreia nesta sexta-feira (20/11), depois da novela A força do querer.

Sobre os impactos que os poderosos discursos, como os que serão apresentados em Falas negras, podem gerar para consciência social, Lázaro responde: “A minha intenção com esse especial é emocionar as pessoas. A parte da reflexão, do mais racional, dependerá do histórico, da intenção delas, e, sobre isso, não sei se tenho muito controle. A gente fez o especial, muito querendo que as pessoas saíssem tocadas e motivadas. Também, conscientes de que essa é a história que foi produzida, com acertos, erros, desafios, desejos. O que podemos fazer é dar espaço para as palavras e tentar emocionar as pessoas. E torcer, para que saiam inspiradas a encontrar o seu lugar de participação nessa causa”, finaliza.

Grandes nomes

A escolha dos nomes para esse projeto foi feita, segundo Lázaro, em um processo de afeto e busca por novos talentos. “Junto à Thaís Fragoso e Aline Maia que é antropóloga e consultora do projeto, começamos a pesquisar essas figuras tendo como prioridade os textos produzidos por elas, em primeira pessoa, que não fossem biografias escritas por outras pessoas, para não alterar em nada o que foi dito. Depois começamos a seleção de elenco. Em um primeiro momento, por meio do afeto porque é uma coisa que me guia muito. Atores e atrizes com quem eu gostaria de trabalhar e depois outros por meios de teste, para trazer novos rostos para a televisão, e tentamos encontrar também pessoas que além de competentes e talentosas, tivessem alguma semelhança com as figuras reais. E aí foi muito lindo, foi uma escolha difícil pela quantidade de atrizes e atores bons”, conta o diretor.

Entre os 22 personagens, estão líderes revolucionários e abolicionistas, presidente, artistas, ex-escravizados, escritores, sociólogos, políticos, ativistas, professores, jornalistas e rainha. Tulanih Pereira será a voz das falas de jovens em protestos por George Floyd; já Taís Araújo vive a vereadora Marielle Franco; os discursos de não violência do pastor batista Martin Luther King Jr serão ditos por Guilherme Silva; as referências ativistas de Malcom X, Rosa Sparks e Angela Davis serão interpretados por Samuel Melo, Barbara Reis e Naruna Costa, respectivamente; a grandiosa voz de Nina Simone é cantada por Ivy Souza; Bukassa Kabengele será o presidente sul-africano, Nelson Mandela; Babu Santana interpreta o maior pugilista da história, Muhammad Ali; já Ailton Graça vive o premiado geógrafo Milton Santos. O autor da obra-prima Go tell it to the mountains, James Baldwin, terá a voz do ator Angelo Flavio.

O especial conta, ainda, com o depoimento doloroso de Neilton Mattos Pinto (por Silvio Guindane), pai de João Pedro Mattos Pinto assassinado em uma ação policial no Rio; e de Mirtes Souza (Tatiana Tibúrcio), a mãe do menino Miguel Otávio, que morreu após cair de um prédio de luxo no Recife. Será possível conhecer as falas de outros importantes líderes negros como, a rainha Nzinga Mbandi (Heloisa Jorge); o escritor nigeriano Olaudah Equiano (Fabrício Boliveira); o líder da revolução do Haiti, Toussaint Louverture (Izak Dahora); a informante libertária, Harriet Tubman (Olivia Araujo); o ex-escravo africano, Mahommah G. Baquaqua (Reinaldo Junior); a primeira mulher psicanalista brasileira, Virgínia Leone Bicudo (Aline Deluna); o advogado abolicionista brasileiro Luiz Gama (Flavio Bauraqui); a antropóloga brasileira Lélia Gonzalez (Mariana Nunes); e Luiza Bairros(Valdineia Soriano), cientista social do Movimento Negro Unificado (MNU);

Os depoimentos serão acompanhados e guiados pela figura de um grande Baobá, árvore-mãe, símbolo fundamental das culturas africanas, que, na narrativa, é uma grande testemunha da beleza ancestral e das dores de feridas abertas pela escravidão e pelo racismo. O especial será exibido nesta sexta-feira (20), depois de A força do querer, na programação da globo.

*Estagiária sob supervisão de Igor Silveira

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE