Música

Lollapalooza 2022: ingressos caros e esgotados, filas longas e memes

Adiado três vezes pela pandemia de covid-19, o Lollapalooza Brasil está marcado para 25, 26 e 27 de março. E, como todo primeiro dia de vendas, os internautas brasileiros não deixaram passar em branco

Correio Braziliense
postado em 18/11/2021 22:43
Preço dos ingressos da edição 2022 aumentou 65% em relação à tabela anunciada em 2020 -  (crédito:  GEOFFROY VAN DER HASSELT)
Preço dos ingressos da edição 2022 aumentou 65% em relação à tabela anunciada em 2020 - (crédito: GEOFFROY VAN DER HASSELT)

Depois de dois anos sem a realização de eventos, os fãs de festivais de música não aguentavam mais de saudade dele: o velho hábito de reclamar na internet. Mas este dia 18 de novembro chegou e, com ele, a abertura da venda de ingressos para o Lollapalooza 2022. Claro que o preço dos ingressos, o tamanho da fila e a dificuldade de acesso ao site foram os assuntos do dia.

Os bilhetes da edição de 2020, cancelada pela pandemia de covid-19, seguem válidos. Por isso, é possível que os ingressos se esgotem mais rápido neste ano. Estão à venda três tipos de entrada: Lolla Pass, Day, Lounge e Comfort, com custos bem diferentes. De R$ 660 a R$ 5 mil reais, dependendo se meia entrada, inteira ou entrada social; se é para um ou os três dias de festival e se há acesso a áreas exclusivas e benefícios adicionais.

Claro que esse seria o primeiro problema. A edição 2020, que já tinha gerado reclamações, disponibilizou ingressos simples para um único dia por R$ 400, segundo o site o site Tracklist. O valor atual é 65% maior que o anterior, aumento que supera, em muito, a inflação acumulada no período. Segundo o IBGE, de janeiro a outubro deste ano, o índice é de 8,24%. Ou seja, o ingresso do Lolla subiu oito vezes mais que os produtos da cesta básica.

“Sem crer que o preço de um único dia de Lolla equivale ao preço do Lolla Pass de antes da pandemia é uma canalhice sem fim”, notou o dono do perfil Kombi no Twitter.


Na lista dos problemas, um bug no site da empresa Tickets4Fun foi o segundo maior motivo de reclamação. Fãs do festival relataram ter passado horas na ‘fila’ do site e, quando chegou o esperado momento da compra, um erro aumentava o tempo de espera.

“Até agora não vi UMA pessoa que conseguiu comprar pelo site, sério mesmo!!!! Todos os tweets que estou vendo é que estava faltando poucos minutos e quando chegou na hora foram mandados pro fim da fila, arruma isso aí”, relatou a conta identificada como Tudo Miley.


Muitos dos interessados no festival reclamaram do site. “Num site bom, com estrutura pra evento grande, isso não rola. E quando rola, a fila funciona. A da T4F tá andando pra trás. Faltavam 12min e agora falta mais de 1h, aí o site caiu, aí volta pro final da fila e isso que a taxa de conveniência é um absurdo. T4F é um lixo”, escreveu indignado o usuário Inácio Netto.



Nos pontos de venda presenciais, também houve registro de filas gigantescas.


E, para quem conseguiu passar pelos obstáculos, ainda houve risco de decepção. Os ingressos do sábado e domingo, os dias mais esperados, se esgotaram em questão de horas.




 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE