COPA AFRICANA

Copa africana: após superar câncer, herói faz o gol do título

O autor do gol do título foi o atacante Sebastien Haller, do Borussia Dortmund. Em 2022, ele precisou interromper a carreira para se tratar de um câncer nos testículos

Haller é celebrado pelo presidente da Costa do Marfim,  Alassane Ouattara -  (crédito:  Sia Kambou/AFP)
Haller é celebrado pelo presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara - (crédito: Sia Kambou/AFP)
postado em 12/02/2024 03:55

De virada, a Costa do Marfim venceu a Nigéria por 2 x 1, ontem, e conquistou em casa o tricampeonato da Copa Africana de Nações. O autor do gol do título foi o atacante Sebastien Haller, do Borussia Dortmund. Em 2022, ele precisou interromper a carreira para se tratar de um câncer nos testículos.

Aos 29 anos, Haller também foi o autor do gol da vitória por 1 x 0 sobre Congo nas semifinais da competição. Com uma lesão no tornozelo, o atacante de 1,91m só conseguiu estrear na competição nas oitavas de final, contra Senegal.

No ano passado, o jogador testemunhou sobre o drama na carreira e contou qual foi o pior momento. "Liguei para meus irmãos e irmã para dizer que passassem a noite com minha mãe, porque minha tia, que também era sua melhor amiga, morreu de câncer em fevereiro de 2020. Continua sendo uma trauma na família e sabia que a notícia seria recebida com muita dificuldade", revelou o jogador em entrevita à imprensa da Costa do Marfim.

Foram duas cirurgias e quatro sessões de tratamento. "A quimioterapia destruiu meu corpo por dentro. Então você recomeça aos poucos. E depois da quimio, apesar de você se sentir muito bem, você realmente parece uma pessoa doente, você tem olhos fundos, sem cabelo, lábios pretos... E nos primeiros dias, por causa do cateter na garganta, eu tive a voz de um cara que estava resfriado. Tive que me recuperar para reencontrar a voz porque falava muito baixo, sem forças. Foi estranho", contou o jogador.

Ontem, no estádio Alassane Ouattara, em Abidjan, os donos da casa tentavam se vingar dos nigerianos. Os adversários na final haviam vencido o confronto pela fase de grupos por 1 x 0 e parecia que a história poderia se repetir. No mesmo estádio, o mesmo jogador abriu o placar. William Troost-Ekong subiu de cabeça para fazer 1 x 0 para a Nigéria aos 38 da etapa inicial.

A virada marfinense aconteceu no segundo tempo. Aos 17 minutos, Franck Kessie empatou ao marcar de cabeça após cobrança de escanteio. O gol do título aconteceu aos 36. Simon Adingra fez boa jogada pela esquerda e cruzou à meia altura. Haller, que chegou a disputar algumas competições pelas seleções de base da França, esticou a perna e mandou para o gol.

Com o terceiro título (os primeiros foram em 1992 e 2015), a Costa do Marfim se iguala à Nigéria em número de conquistas na competição. As duas nações estão atrás do recordista Egito (7 títulos), Camarões (5) e Gana (4) no ranking do torneio.

No sábado, o Catar conquistou a Copa da Ásia. No meio do ano, as badaladas Eurocopa e Copa América entrarão em cena na Alemanha e nos Estados Unidos, respectivamente.

 


Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação