Orgulho LGBTQIA+

Ativista com bandeira arco-íris invade o jogo entre Alemanha e Hungria

Durante hino da Hungria, jovem correu na frente dos jogadores e foi detido por seguranças, na partida da Eurocopa nesta quarta-feira (23/6)

Agência France-Presse
postado em 23/06/2021 17:11 / atualizado em 23/06/2021 17:23
Matthias Hangst / POOL / AFP -  (crédito: Matthias Hangst / POOL / AFP)
Matthias Hangst / POOL / AFP - (crédito: Matthias Hangst / POOL / AFP)

Um ativista invadiu o gramado da Arena de Munique com uma bandeira com as cores do arco-íris, que representam o movimento LGBTQ+, durante o hino da Hungria, antes da partida com a Alemanha, pela terceira rodada do Grupo E da Eurocopa.

O jovem correu na frente dos jogadores das duas seleções até ser detido pelos seguranças do estádio alemão.

O duelo entre as equipes esteve no meio de uma polêmica por conta do veto da Uefa a uma ideia da cidade de Munique de iluminar seu estádio com as cores do movimento LGBTQ+, como forma de protesto contra uma lei aprovada na Hungria na semana passada que restringe os direitos de informação dos jovens com relação à homossexualidade e transexualidade.

  • KAI PFAFFENBACH / POOL / AFP
    KAI PFAFFENBACH / POOL / AFP KAI PFAFFENBACH / POOL / AFP
  • ALEXANDER HASSENSTEIN / POOL / AFP
    ALEXANDER HASSENSTEIN / POOL / AFP ALEXANDER HASSENSTEIN / POOL / AFP
  • ALEXANDER HASSENSTEIN / POOL / AFP
    ALEXANDER HASSENSTEIN / POOL / AFP ALEXANDER HASSENSTEIN / POOL / AFP
  • ALEXANDER HASSENSTEIN / POOL / AFP
    ALEXANDER HASSENSTEIN / POOL / AFP ALEXANDER HASSENSTEIN / POOL / AFP
  • Matthias Hangst / POOL / AFP
    Matthias Hangst / POOL / AFP Matthias Hangst / POOL / AFP

Mais cedo, o presidente da entidade que comanda o futebol na Europa, Aleksander Ceferin, denunciou iniciativas "populistas" para justificar a decisão da entidade em relação à iniciativa da cidade alemã.

"Não queremos ser usados em ações populistas", disse Ceferin ao jornal alemão Die Welt.

"Devido à popularidade do futebol, as pessoas frequentemente tentam abusar das associações esportivas para seus próprios fins", concluiu o preseidente da Uefa.

© Agence France-Presse

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE