JORNALISMO

Embaixador do Brasil em Portugal reforça o papel da imprensa

Em cerimônia de homenagem à Associação da Imprensa Estrangeira no país europeu, o diplomata destaca a convergência das prioridades entre brasileiros e portugueses dentro do G20

Embaixador do Brasil em Portugal, Raimundo Carreiro lembrou que a AIEP teve papel relevante dentro do processo de redemocratização do país europeu -  (crédito: Vicente Nunes/CB)
Embaixador do Brasil em Portugal, Raimundo Carreiro lembrou que a AIEP teve papel relevante dentro do processo de redemocratização do país europeu - (crédito: Vicente Nunes/CB)
postado em 08/03/2024 16:48 / atualizado em 08/03/2024 16:50

Lisboa — O embaixador do Brasil em Portugal, Raimundo Carreiro, exaltou a liberdade de imprensa como um dos pilares da democracia em cerimônia, na noite de quinta-feira (7/3), na qual homenageou a nova diretoria da Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal (AIEP).

Ele lembrou que a entidade teve papel relevante dentro do processo de redemocratização do país europeu, ao mostrar para o mundo todos os reflexos do fim da longa ditadura salazarista e da Revolução dos Cravos, que completará 50 anos em abril.

A associação teve a sua fundação iniciada em 1976, se consolidando dois anos depois. O compromisso de seus integrantes, neste momento, é de combater as fake news e mostrar à população os riscos de extremistas chegarem ao poder pregando a intolerância e o ódio.

Portugal terá eleições neste domingo (10/3) e tudo indica que, pela primeira vez, desde a redemocratização, a direita será maioria na Assembleia da República, com a ultradireita mais que dobrando o atual número de parlamentares (12).

Carreiro também ressaltou o fato de o Brasil, que está na presidência do G20, ter convidado Portugal para integrar o grupo das 20 economias mais ricas do planeta como convidado — são oito no total. “É a primeira vez que Portugal entra nesse seleto grupo.

Nem mesmo quando o G20 foi presidido por um país europeu isso ocorreu, o que mostra o quanto os dois países estreitaram os seus laços e, melhor, o quanto defendem as mesmas bandeiras no contexto internacional”, assinalou.

Segundo o embaixador, o Brasil definiu três temas como prioridades dentro da sua prerrogativa de presidente do G20: a inclusão social e o combate à fome e à pobreza, uma bandeira antiga do presidente Luiz Inácio Lula da Silva; a promoção do desenvolvimento sustentável e as suas dimensões econômicas, sociais e ambientais; e a reforma efetiva da governança global, que continua com o mesmo modelo há quase 80 anos.

Nesse último ponto, Carreiro destacou a flagrante incapacidade do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas em tomar ações decisivas em relações às guerras que afligem a Europa e o Oriente Médio.

Na avaliação do embaixador, organismos multilaterais como o Fundo Monetário Nacional (FMI), o Banco Mundial (Bird) e a Organização Mundial do Comércio (OMC) não têm um governança interna compatível com o peso dos países do Sul global.

“O Brasil pretende que o G20 dê impulso político às discussões em curso nessas instituições”, frisou. Ele acrescentou que o atual ministro de Negócios Estrangeiros de Portugal, João Cravinhos, reforçou que o país europeu se identifica com as três prioridades definidas pelo Brasil e contribuirá com os debates.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação