Investigação

"Querem inviabilizar o PL nas próximas eleições", diz Marinho

Oposição volta a criticar a atuação de Alexandre de Moraes na operação que teve como alvo o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL)

Para Marinho, a atual ação parece uma tentativa de tirar o PL da campanha municipal deste ano -  (crédito: Henrique Lessa/CB/D.A Press)
Para Marinho, a atual ação parece uma tentativa de tirar o PL da campanha municipal deste ano - (crédito: Henrique Lessa/CB/D.A Press)
postado em 08/02/2024 19:20 / atualizado em 08/02/2024 19:21

Para o senador Rogério Marinho (PL-RN), a defesa da democracia brasileira exige um processo isento, mas entende que isso não está acontecendo nas ações que investigam o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Para o senador, existe uma perseguição no Judiciário, por parte do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que é o relator do inquérito e uma das autoridades supostamente monitoradas pelo esquema de inteligência paralela que teria existido no governo anterior.

“Não é possível nós assistirmos a uma investigação em que a pretensa vítima presida esse inquérito. Não é possível nós imaginarmos que haja imparcialidade nesse processo. As ações espetaculares que estão se sucedendo mostram que há uma espécie de método, e isso é intolerável, porque fragiliza a democracia. A ação do PL é da mesma gravidade, nós estamos falando do maior partido de oposição”, disse Marinho.

Para Marinho, a atual ação parece uma tentativa de tirar o PL da campanha municipal deste ano. “Querem acabar com o PL”, disse o senador. Marinho questiona como o partido poderá seguir as negociações para a campanha eleitoral com o presidente de honra, Jair Bolsonaro, e o presidente da legenda, Valdemar Costa Neto, sem poder se falar.

“Vocês têm que entender que nós estamos em um ano eleitoral. O PL tem uma previsão de fazer muitos prefeitos e muitos vereadores em todo o Brasil. É claríssima a espetacularização e o uso da Justiça. Esse consórcio do Executivo com o Judiciário para enfraquecer a direita, já estão pedindo o fechamento do Partido Liberal”, disse o senador Jorge Seif (PL-SC).

Para o senador Magno Malta (PL-ES), o objetivo do ministro Alexandre de Moraes é perseguir o ex-presidente Bolsonaro. O senador ainda sugeriu que o apoio de Bolsonaro seria maior que o obtido por ele nas últimas eleições. “Mais de 60% dos brasileiros apoiam Bolsonaro”, disse.

“Eles querem chegar a Bolsonaro, esse é o alvo, as narrativas estão sendo montadas para isso”, disse Malta.

O ex-vice-presidente e senador Hamilton Mourão (Republicanos-RS) disse que conhece o general Augusto Heleno há mais de 50 anos e apostou na inocência do militar reformado. “Pelo conhecimento que tenho do general Heleno, ele não se envolveria com isso.” Mourão também justificou a declaração anterior onde disse que as “Forças Armadas não podem se omitir”, apontando que espera que as Forças Armadas investiguem todos os supostos crimes que envolvem militares.

“Existe a Justiça Militar, nós temos militares que eventualmente podem ter cometido crimes em função militar, então isso é objeto que o Exército deveria ter aberto, há muito tempo, um inquérito policial militar e estar conduzindo essa investigação”, disse o senador.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação