INVESTIGAÇÃO

Cid disse que Forças Armadas iriam garantir "ato no Congresso", diz PF

Conversas obtidas pela PF mostram que o tenente-coronel Mauro Cid, que fechou delação premiada e foi o pivô da operação

Conversas obtidas pela PF mostram que o tenente-coronel Mauro Cid, que fechou delação premiada e foi o pivô da operação -  (crédito:  Ed Alves/CB/DA.Press)
Conversas obtidas pela PF mostram que o tenente-coronel Mauro Cid, que fechou delação premiada e foi o pivô da operação - (crédito: Ed Alves/CB/DA.Press)
postado em 09/02/2024 14:06

Ao fechar cerco ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e a seus aliados mais próximos, incluindo ex-ministros do seu governo e militares de alta patente, na Operação Tempus Veritatis, a Polícia Federal (PF) cravou que o entorno do ex-presidente articulou e financiou manifestações golpistas após o segundo turno das eleições de 2022.

Conversas obtidas pela PF mostram que o tenente-coronel Mauro Cid, que fechou delação premiada e foi o pivô da operação, na época ajudante de ordens de Bolsonaro, ajudou a organizar protestos no Congresso Nacional e no Supremo Tribunal Federal (STF) no dia 15 de novembro de 2022, Data da Proclamação da República, e prometeu suporte das Forças Armadas para garantir a segurança dos manifestantes.

O tenente-coronel também ofereceu R$ 100 mil para cobrir gastos com hospedagem e alimentação de manifestantes, além de materiais, e orientou que pessoas fossem trazidas do Rio.

As mensagens foram trocadas com o major das Forças Especiais do Exército Rafael Martins de Oliveira, conhecido como Joe, que segundo a Polícia Federal era o interlocutor de Mauro Cid na "coordenação de diversas estratégias" golpistas. Oliveira é apontado na investigação como um dos responsáveis por organizar o financiamento e dar suporte operacional às investidas antidemocráticas. Ele é um dos alvos da operação.

A PF afirma que os diálogos demonstram que os protestos pró-Bolsonaro não nasciam necessariamente da mobilização popular, mas eram incensados a partir da "arregimentação e do suporte direto" do grupo ligado ao ex-presidente. Para os investigadores, o objetivo era demonstrar que as bandeiras golpistas tinham "apoio popular".

A informação foi destacada pela Polícia Federal no relatório enviado ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, para conseguir autorização para deflagrar a operação.

"A representação noticia a realização de reuniões por integrantes civis do governo federal e militares da ativa para encaminhar orientações aos manifestantes de como agirem, locais de atuação, além de financiarem e respaldarem suas ações, por meio da Forças Armadas", destacou Moraes ao dar sinal verde para a etapa ostensiva da investigação.

Entre os alvos da PF, estão o próprio Bolsonaro, Braga Netto (ex-ministro da Casa Civil), Augusto Heleno (ex-ministro do GSI), Anderson Torres (ex-ministro da Justiça), Valdemar Costa Neto (presidente do PL), Paulo Sérgio Nogueira (ex-ministro da Defesa) e Almir Garnier Santos (ex-comandante da Marinha).

Os investigados afirmaram, via defesa, que vão cumprir as determinações impostas pela Justiça, mas que ainda não tiveram acesso às investigações para saberem o que pesa contra cada um deles. Braga Netto ainda não se manifestou.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br