Especial

Concursos de beleza no século 21 apostam na diversidade e filantropia

Na busca por inclusão e diversidade, as competições de miss se atualizam e ganham novos objetivos

por Ailim Cabral
postado em 29/05/2022 11:00
 (crédito: Arquivo Pessoal)
(crédito: Arquivo Pessoal)

"Ei, isso não é um concurso de beleza, é um programa de bolsas de estudos", diz a icônica personagem de Sandra Bullock em uma das últimas cenas do filme Miss Simpatia. Na história, a agente de polícia Grace Hart está disfarçada como concorrente a miss e despreza o processo. Ao fim do filme, no entanto, deixa os preconceitos de lado e passa a admirar as participantes.

O processo de Grace, ao perceber que os concursos não se tratam apenas de uma futilidade voltada à estética, assemelha-se à realidade. São muitas as pessoas que torcem o nariz para concursos de beleza, afinal, em um mundo onde tentamos, cada vez mais, celebrar a beleza natural e a diversidade, a existência desse tipo de evento parece incoerente.

Filme Miss simpatia
Filme Miss simpatia (foto: Warner Bros. Pictures/ Divulgação)

E se os certames de miss não tivessem evoluído junto com a sociedade, realmente seriam incompatíveis com as premissas feministas e progressistas que precisam permear as relações femininas e a quebra de padrões estéticos irreais.

O missólogo João Ricardo Camilo Dias garante que, assim como no filme, os concursos de beleza já não se resumem a padrões estéticos. Há alguns anos, por exemplo, as medidas do corpo e a altura das candidatas foram abolidas entre os critérios de seleção da maioria dos eventos.

João lembra que as competições de miss começaram há cerca de 70 anos e que o propósito deles se assemelhava ao que as mulheres e a sociedade valorizavam na época. "No começo dos anos 1950, o alvo das meninas era Hollywood e as grandes marcas, além de ser uma vitrine para conseguir um bom casamento. Uma miss poderia escolher quem ela quisesse."

Miss universo 2021
Miss universo 2021 (foto: RODRIGO VARELA)

Uma década depois, os eventos se tornaram campeões de audiência e conquistaram o mundo. Nos anos 1970, com as mudanças que aconteciam no mundo e a guerra do Vietnã, a presidente da Miss World Organization, Julia Morley, idealizou o novo lema do Miss World — Beauty With a Purpose ou Beleza com Propósito.

Sendo o principal e mais antigo concurso, teve seu novo objetivo reproduzido em praticamente todas as franquias de miss e mister. "Com isso, as misses passaram a ter esse comprometimento com a filantropia e as causas sociais, usando a influência e o destaque", explica João.

Do DF para o mundo

A última brasileira a representar o país no Miss World, em março deste ano, Caroline Teixeira, 24 anos, garante que a beleza com o propósito é o maior desafio e o mais importante nos concursos. "Não existem mais padrões e medidas como antes. Não é o rosto mais bonito que vai ganhar, mas, sim, o conjunto. E o principal é ter esse amor pelas causas sociais. É nítido quando a candidata se doa e apoia de forma sincera o projeto", diz.

Caroline em suas funções filantrópicas
Caroline em suas funções filantrópicas (foto: Arquivo Pessoal)

Em 2021, Caroline representou o DF no Miss Brasil e se tornou a Miss Brasil Mundo, competindo no Miss World e ficando entre as 40 semifinalistas. A filantropia fazia parte da vida da miss mesmo antes de entrar no universo dos concursos. "Sempre fui voluntária, mas se tornou algo mais frequente. Virei madrinha do projeto Formiguinhas do Bem, que apadrinha crianças no Entorno do DF e, como miss, pude incentivar que mais pessoas abraçassem a causa", comemora.

Além do projeto social que toda candidata precisa apoiar ao se inscrever, a vencedora se torna embaixadora Nacional da Luta contra Hanseníase e viaja por todo o Brasil levando conhecimento sobre a doença. "Abraçando as pessoas, mostrando para todos, ajudamos a quebrar esse preconceito. A miss usa a atração das pessoas pela beleza, pela coroa e pela faixa em prol do amor ao próximo. É uma forma de a minha voz ser ouvida", acredita.

Em sua missão como embaixadora, Caroline conseguiu arrecadar R$ 70 mil para a compra de um aparelho que permite o diagnóstico da hanseníase nos nervos e vai impactar a vida de milhares de pessoas. A jovem ressalta que ser miss mudou sua vida e foi uma experiência transformadora. Ela deseja que as pessoas tenham outros olhos para esse universo e enxerguem que a beleza é relativa e apenas um dos aspectos menos importantes nos atuais concursos.

... e durante a campanha da Luta Nacional Contra a Hanseníase: causa defendida
... e durante a campanha da Luta Nacional Contra a Hanseníase: causa defendida (foto: Arquivo Pessoal)

Vivendo no ambiente de misses desde os sete anos de idade, Deise Benício, 30, Miss Supranational Brasil 2020/21 e Miss Supranational DF 2020, acredita que os concursos devem ser aliados da representatividade e mostrar que a beleza vai muito além da estética. "A beleza que cativa e que pode te dar uma coroa de miss é não só a física, mas o conjunto. O intelecto, a capacidade de diálogo, o envolvimento com causas sociais e o amor ao próximo. Além da capacidade de ser uma voz ativa na representatividade e nas mudanças", completa.

Amiga íntima e madrinha dos filhos de colegas de concurso que conheceu aos 18 anos, Deise ressalta que a sororidade deve e faz parte da convivência entre as candidatas. Para ela, cada menina compete consigo mesma, para ser sua melhor versão, e não com as outras, o que incentiva um olhar mais generoso entre elas.

Para Deise Benício, Miss Supranational 2020/21, os concursos devem ir além da estética
Para Deise Benício, Miss Supranational 2020/21, os concursos devem ir além da estética (foto: TORU YAMANAKA)

Critérios gerais

  • Antes de conhecer candidatas e candidatos, os jurados têm acesso a vídeos de apresentação, talento e do projeto social apoiado.
  • A entrevista é a etapa de maior peso. Candidatas e candidatos se apresentam aos jurados e depois precisam responder a algumas perguntas.
  • Em alguns deles, existe o período de confinamento e entrevistas em grupo.
  • Assim, os jurados conhecem bastante da personalidade de cada competidor antes dos desfiles.

Mudança e inclusão

Henrique Fontes, missólogo e diretor das franquias nacionais Miss Brasil Mundo e Mister Brasil, acredita que, na evolução dos critérios, deixar de pedir as medidas do corpo das jovens, abolir o desfile em trajes de banho e permitir a participação de homens e mulheres trans estão entre os mais importantes. No ano passado, Rayka Vieira foi a primeira mulher trans a participar do Miss Brasil Mundo. Henrique lembra que uma moça deficiente auditiva também participou do concurso regional no Rio de Janeiro.

Crédito: CNB/Divulgação. Rayka Vieira, miss centro-goiano, primeira candidata trans a participar do concurso Miss Brasil Mundo
Crédito: CNB/Divulgação. Rayka Vieira, miss centro-goiano, primeira candidata trans a participar do concurso Miss Brasil Mundo (foto: CNB/Divulga??o)

"Em 2014, a diretora do Miss Mundo, Julia Morley, aboliu o traje de banho e afirmou que não precisa ver uma mulher de biquíni para elegê-la miss Mundo, mas, sim, ouvir sua voz. Nós adotamos isso na hora, é sensacional", afirma. Outras alterações necessárias, e ainda atrasadas, são a ampliação da faixa etária e a inclusão de mães e mulheres casadas ou divorciadas. Um novo concurso, o Universal Woman Dubai aceitará mulheres de até 40 anos, com filhos e em qualquer estado civil.

  • Candidatas ao concurso Miss Brasil usando maiô em frente ao Congresso Nacional Arquivo/CB/D.A Press
  • Concurso Miss Brasília 1980: as modelos precisavam usar roupas de banho e salto alto como parte das provas Tadashi Nakagomi/CB/D.A Press
  • Martha Rocha, vestida de noiva, na capa de O Cruzeiro. Na época, um bom casamento era parte do objetivo de vida das jovens Fotos: Arquivo O Cruzeiro/D.A Press
  • A Miss Brasil Marta Rocha, em novembro de 1954 O Cruzeiro/Arquivo EM
  • 16/05/2022 Crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press. Brasil. Brasilia - DF - Concursos de beleza e como eles se encaixam em um mundo que tenta, cada vez mais, abraçar a diversidade. David Teófilo e a Carla Pinheiro. Os dois foram vencedores do concurso Top Cufa DF Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
  • 16/05/2022 Crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press. Brasil. Brasilia - DF - Concursos de beleza e como eles se encaixam em um mundo que tenta, cada vez mais, abraçar a diversidade. David Teófilo e a Carla Pinheiro. Os dois foram vencedores do concurso Top Cufa DF Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
  • 2021. Crédito: Renato Braga/Divulgação. Aqui-DF. A representante do Distrito Federal, Caroline Teixeira, de 23 anos, foi eleita a 61ª Miss Brasil Mundo. Renato Braga/Divulga??o
  • 2021. Crédito: Renato Braga/Divulgação. Aqui-DF. A representante do Distrito Federal, Caroline Teixeira, de 23 anos, foi eleita a 61ª Miss Brasil Mundo. Renato Braga/Divulga??o
  • Crédito: CNB/Divulgação. Rayka Vieira, miss centro-goiano, primeira candidata trans a participar do concurso Miss Brasil Mundo CNB/Divulga??o
  • 18/04/2018. Crédito: Edy Amaro/Esp. CB/D.A Press. Brasil. Brasília - DF. Miss Mundo, Manishi Chhillar e sua linda parceira, durante evento em prol da APAE/DF. Edy Amaro/Esp. CB/D.A Press
  • 18/04/2018. Crédito: Edy Amaro/Esp. CB/D.A Press. Brasil. Brasília - DF. Jesus de Lima, Diva da Silva Marinho, Gabrielle Vilela, Miss Mundo, Manushi Chhillar, Márcia e o governador Rollemberg, Isabela Schott, e o Mister World 2018, Carlos Fontes, durante evento em prol da APAE/DF. Edy Amaro/Esp. CB/D.A Press
  • 16/04/2018. Credito: Barbara Cabral/Esp.CB/D.A. Press. Brasil. Brasilia - DF. A Miss Mundo Manushi Chhillar, na Assassiacao de Pais e Amigos dos Exepcionais - APAE-DF. Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press
  • 16/04/2018. Credito: Barbara Cabral/Esp.CB/D.A. Press. Brasil. Brasilia - DF. Deficientes acompanham a visita da Miss Mundo Manushi Chhillar, na Assassiacao de Pais e Amigos dos Exepcionais - APAE-DF. Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press
  • 16/04/2018. Credito: Barbara Cabral/Esp.CB/D.A. Press. Brasil. Brasilia - DF. A Miss Mundo Manushi Chhillar, na Assassiacao de Pais e Amigos dos Exepcionais - APAE-DF. Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press

Henrique afirma que o mais importante em uma miss é saber escutar, levar carinho e informação da melhor forma possível. "Tem sido aos poucos. Seria hipócrita se eu dissesse que a quebra de padrão é instantânea, até porque o público precisa começar a aceitar, aprender a julgar menos a aparência da miss e ver também os outros aspectos. A mudança leva tempo", acredita.

O que as candidatas buscam e o que os concursos oferecem em termos de premiação também evolui de acordo com os objetivos das jovens. As viagens pelo Brasil e pelo mundo e as bolsas de estudo para graduação e especializações são os principais prêmios na maior parte das competições. Além disso, a exposição e os contratos publicitários ajudam as misses e os misters a viabilizarem seus planos e suas carreiras, mesmo quando elas não estão na área da moda ou beleza.

Beleza transformadora

Uma pesquisa do Projeto Dove pela Autoestima mostra que uma em cada duas meninas apontam os padrões de beleza disseminados nas mídias sociais como catalisadores para baixa autoestima. Sete em cada dez revelaram ter se sentido melhor após deixar de seguir perfis que promovem dicas e comentários sobre padrões de beleza inalcançáveis.

"Identificamos um problema que está corroendo a autoestima das meninas e precisa de atenção e ação imediata. Criamos a campanha para aumentar a conscientização sobre a natureza traiçoeira dos conselhos de beleza tóxica", diz Leandro Barreto, vice-presidente global de Dove. O objetivo é incentivar adolescentes a definirem seus próprios padrões e escolherem suas influências, o que também vale para as mulheres que carregam coroas de miss e também são exemplos para as jovens.

No universo das misses, Henrique critica o padrão de beleza que escraviza as mulheres há tanto tempo. "Nos anos 1970, as vencedoras dos concursos brasileiros pareciam indicar que o Brasil só tinha mulheres loiras e morenas de pele clara. Graças a Deus, isso está mudando." O especialista em concursos de beleza ressalta que todas as meninas jovens precisam se sentir representadas na mídia e perceber que elas são tão bonitas quanto uma miss ou uma modelo.

Martha Rocha, vestida de noiva, na capa de O Cruzeiro. Na época, um bom casamento era parte do objetivo de vida das jovens
Martha Rocha, vestida de noiva, na capa de O Cruzeiro. Na época, um bom casamento era parte do objetivo de vida das jovens (foto: Fotos: Arquivo O Cruzeiro/D.A Press)

A moda por todos

O surgimento de novos concursos, que têm a representatividade e a inclusão como principais motes, é parte fundamental no processo de mudança. Entre eles, se destaca o Top Cufa DF, criado pela Central Única das Favelas do Distrito Federal.

 16/05/2022 Crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press. Brasil. Brasilia - DF -  Concursos de beleza e como eles se encaixam em um mundo que tenta, cada vez mais, abraçar a diversidade. David Teófilo e a Carla Pinheiro. Os dois foram vencedores do concurso Top Cufa DF
16/05/2022 Crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press. Brasil. Brasilia - DF - Concursos de beleza e como eles se encaixam em um mundo que tenta, cada vez mais, abraçar a diversidade. David Teófilo e a Carla Pinheiro. Os dois foram vencedores do concurso Top Cufa DF (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

O modelo David Teófilo, 23 anos, sempre foi estimulado a se aventurar no ramo da moda, mas, além da timidez, nunca tinha se enxergado como um jovem bonito. Com o incentivo da família e dicas da irmã, que já participava de alguns concursos, David se inscreveu para o Top Cufa.

Lutando contra a timidez e aprendendo — em um processo difícil e demorado — a se enxergar como um rapaz bonito, David passou a ter autoconfiança e autoestima. Em 2021, ele venceu a categoria Fashion da competição e, a partir dali, as oportunidades de trabalho começaram a surgir. Hoje, como modelo, ele acredita que seu papel é ser um exemplo para outros jovens negros e da periferia. "Vi que era diretamente para as favelas, foi uma das melhores experiências que já tive. O principal diferencial do evento é abrir portas e dar oportunidade para todos."

Vencedora da categoria Fashion no ano passado, a modelo Carla Pinheiro, 19, afirma que ser negra estava entre o que mais a afastava do mundo da moda. Vendo a maioria das ganhadoras seguindo determinado padrão, apesar de sonhar em ser miss, não se via ganhando e sequer tentava. "Eu já tinha perdido a esperança, porque era algo que sempre sonhei, mas sentia que não era para mim naquele momento. Com as chances que encontrei com o Top Cufa, minha vida mudou completamente."

 16/05/2022 Crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press. Brasil. Brasilia - DF -  Concursos de beleza e como eles se encaixam em um mundo que tenta, cada vez mais, abraçar a diversidade. David Teófilo e a Carla Pinheiro. Os dois foram vencedores do concurso Top Cufa DF
16/05/2022 Crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press. Brasil. Brasilia - DF - Concursos de beleza e como eles se encaixam em um mundo que tenta, cada vez mais, abraçar a diversidade. David Teófilo e a Carla Pinheiro. Os dois foram vencedores do concurso Top Cufa DF (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Bruno Kesseler, presidente da Cufa DF, afirma que a competição surgiu para quebrar padrões e mostrar para jovens que não se sentem pertencentes aos espaços da moda que eles não só podem, como devem estar nas passarelas, nos desfiles e nas revistas. "É simbólico, para nós, ser um exemplo de que esses concursos não são somente sobre os padrões de beleza engessados da sociedade. Apesar de não focarmos em recorte racial, 75% dos moradores das favelas são negros e eles precisam ter sua beleza valorizada", afirma Bruno.

Além de bolsas de estudo, um dos prêmios mais cobiçados, a viagem para São Paulo, é um dos melhores momentos do concurso. A maioria dos vencedores, quando viaja para conhecer os polos de moda, sai do DF e anda de avião pela primeira vez. "Foi incrível ver esses jovens confiantes, chegando aos eventos, sendo vistos como artistas e ver as pessoas pedindo para tirar fotos com eles. Aqueles jovens, em maioria negros, ocupando esses espaços, é maravilhoso", completa Bruno.

Quem deseja se aventurar no mundo miss, pode se inscrever no Top Cufa DF 2022 até o dia 26 de maio pelo site www.topcufadf.com.br.

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE