Coronavírus

Mais de 23 mil idosos de 76 a 78 anos serão vacinados a partir desta sexta, no DF

Anúncio da ampliação do público prioritário ocorreu nessa quarta-feira (24/2), após a chegada de 25,5 mil doses da vacina de Oxford/AstraZeneca ao Distrito Federal. Secretaria de Saúde espera receber mais 11 mil unidades do imunizante CoronaVac até o fim da semana

Samara Schwingel
postado em 25/02/2021 05:56 / atualizado em 25/02/2021 14:53
Unidades serão usadas para a primeira aplicação, considerando que o intervalo entre doses é de até três meses -  (crédito: Alain Jocard/AFP)
Unidades serão usadas para a primeira aplicação, considerando que o intervalo entre doses é de até três meses - (crédito: Alain Jocard/AFP)

Uma nova etapa da campanha de vacinação contra a covid-19 começa nesta quinta-feira (25/2), no Distrito Federal. A partir das 16h, idosos de 76 a 78 poderão agendar o atendimento para receber a primeira dose nos pontos de drive-thru e nos pontos de vacinação. A aplicação dos imunizantes, por sua vez, terá início na sexta-feira (26/2). A vacinação será feita exclusivamente por meio de agendamento, utilizando-se o site vacina.saude.df.gov.br. No portal de agendamento será possível escolher o ponto para ser vacinado, seja no modelo convencional (na sala de vacina), ou por drive-thru.

O anúncio da ampliação do público-alvo prioritário ocorreu na quarta-feira (24/2), devido ao recebimento de 25,5 mil doses do imunizante Covishield — produzido pela universidade inglesa de Oxford com a farmacêutica AstraZeneca. Até o fim da semana, a Secretaria de Saúde do DF espera receber mais 11 mil doses da CoronaVac.

No total, o DF conta com 32 postos, entre unidades básicas de saúde (UBSs) e drive-thru (leia Locais de vacinação). O horário continua das 8h às 17h, de segunda-feira a sexta-feira, nos postos de saúde. No drive-thru, a imunização ocorre nos mesmos dias, mas das 9h às 17h. A Secretaria de Saúde ressaltou que há doses suficientes para todas as 23.061 pessoas do novo grupo prioritário; por isso, para evitar aglomerações, não há necessidade de correr aos pontos de atendimento.

Os detalhes da ampliação foram definidos pelo Comitê de Operacionalização da Vacinação do Distrito Federal. Interlocutores da Secretaria de Saúde afirmaram ao Correio que a decisão considerou uma orientação do Ministério da Saúde. Ela define que todas as doses da Covishield devem ser usadas para a primeira aplicação, considerando que o intervalo entre doses é de até três meses. No caso da CoronaVac, esse período vai de 14 a 28 dias, o que justifica a reserva de metade das unidades disponíveis para aplicação do reforço.

Até quarta-feira (24/2), no DF, 118.657 pessoas haviam sido vacinadas contra a covid-19, sendo que 35.355 receberam as duas doses. Com a nova remessa de imunizantes, a Secretaria de Saúde tem cerca de 29,5 mil unidades em estoque para a primeira aplicação, e 25.555 para o reforço. Atualmente, o público-alvo é composto por profissionais de saúde; indígenas aldeados; pessoas com mais de 60 anos em instituições de longa permanência; idosos em home care; pacientes do Núcleo de Atenção Domiciliar (Nrad); pessoas com deficiência institucionalizadas; e toda a população a partir de 76 anos.

 

Ofício

Mesmo com aval do Supremo Tribunal Federal (STF) para que o DF e outras unidades da Federação façam a compra direta de vacinas contra a covid-19, o governador Ibaneis Rocha (MDB) declarou que não pretende adquirir os imunizantes por conta própria. “Por enquanto, confio no ministério (da Saúde), que tem comprado todas as vacinas que têm aparecido até agora. Tenho convicção de que vamos ter condições de vacinar a população de acordo com o cronograma estabelecido em reunião com o ministro (da Saúde, Eduardo) Pazuello e ter, ao menos, metade da população vacinada até junho ou julho”, afirmou o chefe do Executivo local.

A declaração ocorreu na quarta-feira (24/2), após assinatura de decreto de regulamentação da lei distrital que suspende, temporariamente, o pagamento por ocupação de espaços públicos para exercício de atividade econômica.

Após a fala de Ibaneis, a Comissão de Vacinação da Câmara Legislativa — por meio do presidente do grupo, o distrital Fábio Félix (Psol) — enviou um ofício ao governador e ao secretário de Saúde, Osnei Okumoto, cobrando mobilização dos gestores para a compra direta de vacinas. “O cenário de pandemia é agravado pela falta de vacinas em todo o país e, diante da inércia e da lentidão do governo federal, impõe-se aos estados, municípios e ao DF a necessidade de tomarem medidas urgentes para a defesa da saúde das populações”, afirmou o distrital, no documento. O Distrito Federal tem cinco dias para responder à comissão.

Locais de vacinação

Águas Claras
Faculdade Unieuro (só drive-thru)

Asa Norte
UBS nº 2 — EQN 114/115, Área Especial

Asa Sul
UBS nº 1 — SGAS 612, Lotes 28/29

Brazlândia
UBS nº 1 — EQ 6/8, Lote 3, Setor Norte

Candangolândia
UBS nº 1 — EQR 5/7, Área Especial 1

Ceilândia
UBS nº 5 — QNM 16, Módulo F, Ceilândia Norte (inclui drive-thru)
UBS nº 7 — EQNO 10, AE D/E, Setor O
UBS nº 16 — SHSN, Trecho 1, Etapa 1, Qd. 500, AE 2
UBS nº 17 — QNP 16/20, Setor P Sul

Cruzeiro
UBS nº 2 — Setor Escolar, Lote 4, Cruzeiro Velho

Estrutural
UBS nº 2 — Quadra 18, Área Especial (antigo prédio do TRE)

Gama
Estacionamento Bezerrão, Setor Central (só drive-thru)
UBS nº 1 — Entrequadra 6/12
UBS nº 3 — E/Q 3/5, Área Especial, Setor Leste
UBS nº 5 — Área Especial, Lote 38, Setor Central, Lado Leste

Guará
UBS nº 1 — QE 6, Lote C, Área Especial S/N, Guará 1
UBS nº 2 — QE 23, Lote C, Área Especial S/N, Guará 2 (inclui drive-thru)
UBS nº 3 — QE 38, Área Especial S/N, Guará 2
UBS nº 4 — QELC, EQ2/3, Conjunto Lucio Costa

Itapoã
UBS nº 2 — Quadra 378, Área Especial 1, Del Lago

Jardim Botânico
Centro de Práticas Sustentáveis (só drive-thru)
DF-463, Avenida do Cerrado, Jardins Mangueiral

Lago Norte
Shopping Iguatemi (só drive-thru)
UBS nº 1 — SHIN, QI 3, Área Especial

Lago Sul
Policlínica — Setor de Habitações Individuais Sul, QI 21 (inclui drive-thru)

Núcleo Bandeirante
UBS nº 1 — 3ª Avenida, Área Especial nº 3

Paranoá
Praça Central S/N, Lote 1, ao lado da Administração Regional

Parque da Cidade
Estacionamento 13 (só drive-thru)

Planaltina
Casa de Vivência — NS01, Área Especial 9, SRL Planaltina
UBS nº 5 — Quadra 12 D, Conj. A, Área Especial (inclui drive-thru)

Recanto das Emas
UBS nº 3 — Qd 104/105, Área Especial

Riacho Fundo 1
UBS nº 1 — QN 9, Área Especial 11 (inclui drive-thru)

Riacho Fundo 2
UBS nº 1 — QC 6, Conjunto 16, Área Especial, Lote 1
UBS nº 2 — QC 1, Conjunto 10, Lote 1

Samambaia Norte
UBS nº 2 — QS 611, AE 2

Santa Maria
Administração Regional de Santa Maria — Quadra 1, Conj. H, Lote 1 (só drive-thru)
Igreja Assembleia de Deus — QR 207/307, Conjunto T, Área Especial
UBS nº 2 — EQ 217/317, Área Especial, Lote E

São Sebastião
UBS nº 2 — TRE, Qd. 101, Conj. 2, Lote 1, Residencial Oeste

Sobradinho 1
UBS nº 1 — Quadra 14, Área Especial 22/23 (inclui drive-thru)

Sobradinho 2
UBS nº 2 — DF-420, Setor de Mansões (inclui drive-thru)

Taguatinga
UBS nº 1 — QNG, AE 18/19
UBS nº 5 — Setor D Sul, AE 23

Não há solução em curto prazo

Nenhum dos problemas consequentes da pandemia, neste momento, pode ser solucionado em curto prazo. Por isso, qualquer decisão ou organização que as secretarias de Saúde e os governos estaduais ou distritais adotem devem ser multissetoriais. Elas precisam abranger diversos âmbitos da sociedade. Um lockdown como ação isolada, por exemplo, não resolve muita coisa. É necessário investir em ações integradas, como diminuição da transitividade populacional — o que, sim, pode ser feito com um lockdown —; reforço nas medidas e na fiscalização de protocolos sanitários; e conscientização da população. Isso é muito importante, ainda mais quando estamos sem vacinas suficientes para avançar na campanha de imunização. Fato é que o Brasil todo está sofrendo. Cabe aos políticos avaliar quais medidas adotar, e, às pessoas, cumprir o que for determinado. Por favor, evitem sair de casa e, se saírem, usem máscaras e higienizem as mãos. Cuidem-se. Só assim poderemos vencer esta pandemia.

Walter Ramalho, professor de epidemiologia da Universidade de Brasília (UnB)

DF e Goiás divergem sobre medidas

Situação de cidades vizinhas, como Águas Lindas, será tema de reunião -  (crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press)
crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press

Nos últimos dias, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB) e o de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), cobraram um do outro soluções para controle da pandemia nas cidades que compõem o Entorno do DF. Depois de o chefe do Palácio do Buriti afirmar que municípios vizinhos são de responsabilidade do estado goiano, Caiado rebateu e, nas redes sociais, disse que o posicionamento do chefe do Palácio do Buriti evidencia “falta de empatia, além de um grande egoísmo e desrespeito pela vida”.

“Essa declaração é de uma pequenez que rima com seu próprio nome”, completou Caiado, em referência ao governador do DF. Ao Correio, Ibaneis alertou para um possível fechamento de fronteiras entre cidades goianas e regiões administrativas da capital federal. No entanto, o emedebista cobrou ações por parte do governo de Goiás em relação ao sistema de saúde. “Quero que ele (Ronaldo Caiado) se movimente e abra leitos para atender a população do Entorno. Por enquanto, fico na parceria com os prefeitos, que estão muito preocupados”, declarou Ibaneis.

O mandatário do Executivo distrital acrescentou que 25% dos leitos em unidades de terapia intensiva (UTIs) do DF são ocupados por pessoas de municípios vizinhos. Dados da Secretaria de Saúde de Goiás (SES-GO) revelam que as duas únicas cidades do Entorno que dispõem de vagas para pacientes graves com covid-19 são Formosa (GO) e Luziânia (GO). Na quarta-feira (24/2), porém, ambas estavam com 100% e 83,3% de ocupação, respectivamente.

No Distrito Federal, essa taxa chegou a 86,47%, considerando as 392 vagas da rede pública e privada, para adultos e crianças. Desse total, 12 encontravam-se bloqueados. “Contratamos, diariamente, novos leitos aqui no DF. A expectativa é de que, na próxima semana, consigamos abrir, pelo menos, mais 50”, disse o governador Ibaneis Rocha. Nesta quinta-feira (25/2), os secretários de Saúde e prefeitos dos municípios goianos de Águas Lindas, Cidade Ocidental, Luziânia, Novo Gama, Santo Antônio do Descoberto e Valparaíso devem se reunir com gestores da SES-DF para discutir possíveis ações integradas de combate à pandemia. Uma das propostas da pauta é o fluxo de pacientes entre as duas regiões, para aumento da oferta de leitos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE