VIOLÊNCIA

Em 22 anos, DF tem o menor número de crimes contra a vida para setembro

Levantamento relativo a setembro mostra queda de 47% em relação ao mesmo período de 2020. No acumulado de 2021, a redução é de 17,6% na comparação com o mesmo recorte do ano passado

Correio Braziliense
postado em 05/10/2021 21:09 / atualizado em 05/10/2021 21:09
 (crédito: Editoria de ilustração)
(crédito: Editoria de ilustração)

O Distrito Federal registrou, em setembro de 2021, o menor número de crimes violentos letais intencionais (CVLIs) dos últimos 22 anos para o mês, com queda de 47% em relação ao mesmo período do ano passado, de 34 para 18 vítimas.

Os dados, referentes ao último balanço realizado pela Secretaria de Segurança Pública do DF (SSP-DF), mostram que esse crimes seguem em queda em 2021, após dois anos de redução recorde — 2019 teve os menores índices de homicídios dos últimos 35 anos, e os de 2020 foram os menores dos últimos 41 anos.

No acumulado dos nove meses de 2021, a redução dos CVLIs, que englobam homicídios, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte, é de 17,6% no comparativo com o mesmo recorte de 2020. Isso representa 54 mortes a menos neste ano.

Crimes violentos

Os latrocínios (roubos seguidos de morte) também apresentaram redução nos primeiros nove meses de 2021. Foram nove casos a menos que no mesmo período do ano passado, redução de 39%, de 23 para 14 vítimas. Apesar da queda, enquanto todas as mortes não forem evitadas, os números permanecem trágicos. No último sábado (2/10), o empresário Gabriel Benamor, 23 anos, foi vítima de latrocínio em Taguatinga Norte. O jovem morreu baleado depois de buscar um amigo em casa, no Guará, para levá-lo ao Hospital São Francisco, em Ceilândia.

Quanto aos homicídios, a queda foi ainda maior no mês passado: de 51,5%, passando de 33 para 16 vítimas no comparativo com o setembro de 2020. O menor número de homicídios dos últimos 22 anos ocorreu no mês passado. No acumulado de janeiro a setembro, a queda desse tipo penal foi de 16,4%.

Em setembro, não foi registrado nenhum feminicídio no DF. No acumulado do ano, houve quatro crimes a mais, comparando com igual período do ano passado, passando de 13 casos em 2020 para 17 em 2021.

No entanto, logo nos primeiros dias de outubro, mais uma mulher foi vitimada no DF. Cilma da Cruz Galvão, de 51 anos, foi assassinada brutalmente a facadas dentro de casa na madrugada de domingo (3/10). O principal suspeito é o namorado, identificado como Evanildo das Neves da Hora, 37

Contra o patrimônio

No acumulado do ano, os seis crimes contra o patrimônio (CCPs) monitorados de forma prioritária pela SSP-DF — roubos de veículos, a transeunte, em transporte coletivo, em residência, em comércio e o furto em veículo — tiveram, juntos, redução de 15,1%.

O decréscimo mostra que 3,6 mil roubos e furtos deixaram de ocorrer no DF. Do conjunto analisado, o roubo a transporte coletivo apresentou a maior queda: 41,5%. O roubo a pedestres aparece na sequência, com redução de 17,8% e o roubo a residência, com 10,7%.

Roubo de veículos, furtos de veículos e roubo a comércio tiveram reduções de 9,3%, 6,4% e 3,2%, respectivamente.

Levantamento anterior

Em agosto, o número de vítimas dos CVLIs havia sido o segundo menor dos últimos 22 anos para o mês, com um caso a mais que 2019. De janeiro a agosto de 2021, a redução desses crimes chegou a 14,7%, o que representa 40 vidas poupadas no período.

O número de vítimas de homicídio foi o segundo menor desde 2000, quando foram registrados 58 casos, 34 a mais que neste ano, com 24. Em relação a latrocínios, a queda foi de 45% nos primeiros oito meses deste ano em relação ao mesmo período de 2020: de 22 para 12 casos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE