Pandemia

Saúde remarcará cirurgias eletivas para liberar leitos para covid-19

Medida foi publicada em circular interna da pasta. Procedimentos de urgência e emergência continuam sendo realizados

Correio Braziliense
postado em 25/01/2022 17:28
 (crédito: Arquivo)
(crédito: Arquivo)

Devido à alta taxa de transmissão da covid-19 no Distrito Federal, causada pela variante ômicron, a Secretaria de Saúde do DF (SES-DF) determinou que as cirurgias eletivas não prioritárias fossem remarcadas pelos próximos dias. O objetivo é liberar mais leitos para pacientes com o novo coronavírus. Isso porque, na manhã desta terça-feira (25/1), a taxa de ocupação dos leitos adultos em unidades de terapia intensiva (UTI) chegou a 100%. Todos os 83 leitos disponíveis na rede estavam ou ocupados, ou bloqueados. Os dados são atualizados diariamente pelo portal Info Saúde, disponibilizado pela pasta.

Desde segunda-feira (24/1), a Secretaria emitiu uma circular interna determinando a reorganização das cirurgias nos hospitais, de forma que as medidas ficassem concentradas na realização de cirurgias eletivas prioritárias nos próximos dias. O documento pedia a prioridade de alguns procedimentos, como os casos de urgências e emergências.

A pasta defendeu que “devido à alta taxa de transmissão e celeridade de casos provocados pela variante ômicron, para adequar a capacidade da rede de saúde ao atual momento da pandemia a Secretaria de Saúde manteve os transplantes, as cirurgias oftalmológicas, cardíacas, ortopédicas, oncológicas, judicializadas, além das urgências e emergências”. “Demais procedimentos são analisados caso a caso e reagendados”, acrescenta.

Sobre a ocupação de 100% dos leitos, a SES informou que “está tomando todas as providências para aumentar a oferta de leitos gerais na rede pública do DF”. Dentre as medidas implementadas, a pasta citou o aumento da jornada de 20h para 40h semanais para servidores que atuam com assistência direta e a contratação de mais leitos privados.

Exclusivo para covid-19

O governador Ibaneis Rocha (MDB) decidiu tornar o Hospital Regional de Samambaia (HRSam) exclusivo para atendimentos de casos de covid-19, com exceção da ala da maternidade. O chefe do executivo destaca que o local possui três UTIs, com 27 leitos que foram convertidos para o combate ao Sars-CoV-2. Além disso, o chefe do Executivo local ampliou de 26 para 37 o número de leitos de enfermaria do Hospital da Asa Norte (Hran).

Segundo a SES, a rede pública possui 109 leitos de enfermaria nos hospitais regionais da Asa Norte e Samambaia, e no Hospital Materno Infantil de Brasília (Hmib). Em relação aos leitos de Unidade de Cuidados Intermediários (UCI), são 45 leitos nos hospitais de Base e regionais de Samambaia, Santa Maria e Taguatinga.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE