Legislativo

UnB vai receber R$ 3,5 mi para compra de equipamentos danificados por chuva

Os valores serão repassados por oito parlamentares da CLDF. A intenção é de que a UnB utilize o valor para o reparo e compra de equipamentos danificados pela chuva, no início do mês

Valores foram enviados à universidade por oito parlamentares -  (crédito: Reprodução/Redes sociais)
Valores foram enviados à universidade por oito parlamentares - (crédito: Reprodução/Redes sociais)
postado em 28/02/2024 17:29 / atualizado em 19/03/2024 14:41

A Câmara Legislativa (CLDF) aprovou, em sessão de terça-feira (27/2), o envio de emendas parlamentares para a compra e reparos de equipamentos para o Instituto de Física (IF) da Universidade de Basília (UnB), um dos mais atingidos pela chuva da véspera de carnaval.

Os valores encaminhados pela Fundação de Apoio a Pesquisa do Distrito Federal (FAP-DF), que serão destinados à Universidade de Brasília (UnB), giram em torno de R$ 3,5 milhões. Ao todo, oito distritais destinaram emendas à universidade:

- Gabriel Magno (PT), R$ 1 milhão;

- Fábio Felix (PSol), R$ 1 milhão;

- Jaqueline Silva (MDB), R$ 700 mil;

- Max Maciel (PSol), R$ 200 mil;

- Wellington Luiz (MDB), R$ 300 mil;

- João Cardoso (Avante), R$ 150 mil;

- Ricardo Vale (PT), R$ 50 mil; e

- Paula Belmonte (Cidadania), R$ 125 mil.

O acordo entre a UnB e os deputados foi costurado na última semana. No encontro, organizado pelo distrital Gabriel Magno (PT), os parlamentares propuseram, também, encaminhar emendas para a Novacap para que a universidade seja contemplada nas etapas do Drenar DF — evitando novos alagamentos no campus Darcy Ribeiro.

Recursos para evitar alagamentos

O Correio mostrou, mais cedo, que as fortes chuvas no campus revelaram problemas de infiltração e drenagem que são velhos conhecidos da instituição. Nos últimos anos, ela tem sofrido recorrentes cortes de verbas e isso impossibilita realizar intervenções necessárias para resolver definitivamente essas deficiências de infraestrutura.

No orçamento de 2024, previsto pelo Ministério da Educação, a UnB tem disponíveis R$ 48,2 milhões para funcionamento anual, 5,25% a menos do que recebeu no ano anterior. O montante é insuficiente para que sejam feiras obras que evitem alagamentos. Além disso, etapas do Drenar DF — programa do Governo do Distrito Federal (GDF) para acabar com inundações provocadas pelas chuvas em áreas da Asa Norte — não contemplam a região do campus principal, como disse o professor Sérgio Koide, do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental (ENC).

"A chuva do dia 9 foi bastante incomum e, segundo especialistas da própria UnB, talvez possa demorar para enfrentar algo parecido como aquilo (novamente). No entanto, o que nos preocupa é que as águas (da Asa Norte) possam descer para a universidade. Isso é um problema antigo e as etapas do Drenar não contemplam a universidade", explicou Koide.

Segundo ele, o sistema de absorção pluvial da capital federal é arcaico e, após a construção da avenida L3 Norte, os problemas com acúmulo de água dos temporais na Asa Norte se tornaram constantes. "As chuvas têm se intensificado nos últimos anos, e um bom sistema de drenagem absorveria parte da chuva, o que não ocorre hoje", lamentou. O professor comentou que foi determinado pela reitoria que seja feito o possível para enfrentar a situação, e avaliou que são necessárias ações por parte do Executivo local.

"Estamos conversando com a Novacap (Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil) para que haja um reforço na galeria que absorve a água para evitar alagamentos. O que estamos fazendo é diminuir os pequenos problemas. Nós não conseguimos evitar que a água entre na UnB, mas faremos o possível para que ela não chegue em excesso. O governo tem conhecimento desses problemas da universidade, mas a prioridade dele, por ora, acredito, é arrumar as áreas consideradas mais emergenciais", considerou.

Ao Correio, o secretário de Governo, José Humberto Pires, lembrou que o Drenar DF realiza obras que vão da 402 a 408 Norte. De acordo com ele, concluídos esses trabalhos, a próxima ação do programa começará na 710 Norte e irá até as margens do Lago Paranoá. Segundo o secretário, a previsão é de que esse próximo passo seja iniciado ainda neste semestre.

Tags

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação