GDF

Inaugurada 1ª residência terapêutica do DF para pacientes psiquiátricos

Unidade tem capacidade para abrigar 10 mulheres diagnosticadas com transtornos mentais graves e persistentes; objetivo é construir progressivamente a autonomia dessas pessoas, com dignidade e atendimento humanizado

A oferta do serviço segue o previsto na Lei 10.216/2001, sobre a proteção e os direitos das pessoas com transtornos mentais -  (crédito: Agência Brasília )
A oferta do serviço segue o previsto na Lei 10.216/2001, sobre a proteção e os direitos das pessoas com transtornos mentais - (crédito: Agência Brasília )

A governadora em exercício Celina Leão inaugurou, na manhã desta quarta-feira (10/7), a primeira residência terapêutica destinada ao acolhimento de adultos com transtornos mentais graves e persistentes. O imóvel vai abrigar 10 mulheres egressas de internação de longa permanência em hospitais psiquiátricos sem moradia, suporte financeiro, social ou laços familiares que permitam outra forma de reinserção social.

Segundo o Governo do Distrito Federal (GDF), o objetivo é construir progressivamente a autonomia do indivíduo nas atividades da vida cotidiana, além de respeitar os direitos dos usuários como cidadão. Trata-se de uma estratégia de desinstitucionalização da Rede de Atenção Psicossocial pública e um complemento à rede extra-hospitalar, substituindo a internação de longa duração no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

Durante a inauguração, a governadora em exercício Celina Leão destacou que a medida chega para dar dignidade e um atendimento mais humanizado a esses pacientes. “É um divisor de águas na atenção à saúde mental do Distrito Federal”, enfatizou. “É a primeira vez que temos uma casa totalmente preparada para receber essas pessoas, que estavam internadas nos nossos hospitais da rede pública, algumas há mais de anos”, completou.

“O governo desenvolve uma política pública robusta, seja através da construção de novos Centros de Atenção Psicossociais (Caps), na contratação de novos profissionais para reforço do atendimento ou em entregas como essa residência terapêutica”, acrescentou Celina.

A secretária de Saúde, Lucilene Florêncio, afirma que a expectativa é introduzir as pacientes já na próxima semana. A previsão é entregar também, nos próximos dias, uma segunda unidade de mesma capacidade dedicada ao acolhimento de pacientes do sexo masculino. A meta da pasta é chegar a 100 pessoas acolhidas em diferentes espaços e localidades.

“A partir do momento em que acolhemos e damos dignidade a esses pacientes, nós vamos permitir a quem procura nossos hospitais encontrar mais leitos disponíveis”, ressaltou. “É o fortalecimento da rede de assistência e atenção psicossocial, acompanhado pela construção e fortalecimento de novos Caps”, defendeu a titular da pasta.

Reinserção e dignidade

Até sexta-feira (12), todos os profissionais contratados para a gestão da residência terapêutica serão capacitados. No local, os pacientes contarão com o apoio diário de cuidadores 24 horas, além de enfermeiro, auxiliar de enfermagem, cozinheiro e profissional de serviços gerais.

A oferta do serviço segue o previsto na Lei 10.216/2001, sobre a proteção e os direitos das pessoas com transtornos mentais. “Aqui, essas pessoas irão conviver de forma doméstica em uma casa, seguindo uma rotina: vão dormir, acordar, tomar café da manhã, cozinhar, conversar, sair para o tratamento. É uma convivência comunitária supervisionada por cuidadores, técnicos de enfermagem e enfermeiros”, detalha a diretora de Serviços de Saúde Mental, Fernanda Falcomer.

*Com informações da Agência Brasília 


Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

postado em 10/07/2024 14:41
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação