Demanda

Concurso Unificado: Esther diz que vagas só suprem 10% da demanda

"Tivemos uma saída de mais de 70 mil pessoas do serviço público federal", informou a ministra durante uma entrevista nesta sexta (12)

Yasmin Rajab
postado em 12/01/2024 12:12
Nesta semana, o governo abriu 6.640 oportunidades de níveis médio e superior -  (crédito: Wilson Dais/Agência Brasil)
Nesta semana, o governo abriu 6.640 oportunidades de níveis médio e superior - (crédito: Wilson Dais/Agência Brasil)
int(6)

A ministra da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, Esther Dweck, rebateu a afirmação de que as mais de seis mil vagas ofertadas no Concurso Público Nacional Unificado "incharia a máquina pública". Segundo ela, falta servidores públicos nos órgãos federais.

"Tivemos poucos concursos nos últimos anos, o governo anterior praticamente não autorizava concursos, então tivemos uma saída de mais de 70 mil pessoas do serviço público federal. Quem tenta acessar o serviço público muitas vezes vê que falta gente para prestar o serviço", disse, em entrevista a GloboNews nesta sexta-feira (12/1).

De acordo com a ministra, quando ela entrou no governo viu que todos os ministérios estavam com falta de gente ."Para 2024, houve uma demanda de mais de 80 mil vagas. Então 9 mil vagas perto da perda é praticamente 10% da saída que houve nos últimos anos no governo federal”, disse. 

No ano passado, foram autorizadas mais de 9,5 mil vagas para cargos de nível médio e superior em diversos órgãos do Executivo. Nesta semana, o governo abriu 6.640 oportunidades de níveis médio e superior no Concurso Nacional Unificado. As vagas são divididas entre os 21 órgãos públicos participantes. 

Nas redes sociais, a ministra comemorou o lançamento dos editais e ressaltou a importância de ampliar a diversidade no serviço público do país. De acordo com ela, a iniciativa "deixará o serviço público cada vez mais com a cara do Brasil". "Ampliar diversidade é essencial para pensarmos políticas públicas para os desafios do país", completou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação