Sete de Setembro

Alessandro Vieira alerta sobre repetição do caso do Capitólio em Brasília

"Sem um esquema sério de policiamento teremos problemas graves. Estamos repetindo o roteiro do Capitólio -- policiamento frouxo e sem inteligência", escreveu senador

Rosana Hessel
postado em 07/09/2021 00:34 / atualizado em 07/09/2021 01:30
 (crédito: Waldemir Barreto/Agência Senado)
(crédito: Waldemir Barreto/Agência Senado)

O circo está armado em Brasília para o feriado de 7 de Setembro, contrariando pesquisas, como a da Modalmais, que apostavam que o risco de ruptura institucional seria pequeno. Parlamentares, inclusive, estão preocupados com o risco de invasão do Congresso Nacional, como ocorreu no Capitólio, nos Estados Unidos, em janeiro deste ano.

O líder do Cidadania no Senado, Alessandro Vieira (SE), escreveu nas redes sociais, na noite desta segunda-feira (7/9), sobre essa preocupação e contou que alertou o presidente do Senado e do Congresso, o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), sobre o assunto. 

"Sem um esquema sério de policiamento teremos problemas graves. Estamos repetindo o roteiro do Capitólio -- policiamento frouxo e sem inteligência. É preciso esquema de contenção de multidão e distúrbio. E a polícia sabe fazer isso muito bem", escreveu Vieira, pré-candidato à Presidência, nas redes sociais.

Após a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) desbloquear a passagem para os manifestantes pró-governo ocuparem a esplanada dos Ministérios, milhares de pessoas tomaram conta do gramado e armaram barracas para passarem a noite. Boa parte dos manifestantes não usavam máscaras. 

Pouco antes, o parlamentar tinha criticado a Medida Provisória que altera o Marco Civil da Internet, MP 1.068/21, assinada pelo presidente Jair Bolsonaro e divulgada pelo Ministério do Turismo. "Ele (Bolsonaro) sabe que ela é inconstitucional, mas segue seu roteiro de inflamar a base e desgastar as instituições que serão obrigadas a rejeitar essa MP. Tática golpista para acobertar crimes e mansões. Não vamos permitir", escreveu.

 

Mandado de segurança

Pouco depois, o parlamentar escreveu que impetrou um mandado de segurança junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a MP 1.068/2021, porque altera o Marco Civil da Internet "com o objetivo de combater a remoção de conteúdo nas redes sociais". 

"Impetramos mandado de segurança junto ao STF, pedindo a imediata suspensão da vigência da MP 1068/21, diante da sua flagrante inconstitucionalidade e do grave risco de que ela sirva como garantia para o propagação de material ilegal e antidemocrático. #naovaitergolpe", postou Vieira nas redes sociais. 

 


 


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE