LULA EM BRASÍLIA

Lula sobre Bolsonaro: "Só dá demonstração de que é totalmente incompetente"

Ao ser questionado sobre a nova alta no preço da gasolina, o ex-presidente afirmou que "não era necessário" e Bolsonaro não se preocupa com o povo mais pobre e só se preocupa com acionistas do exterior

Cristiane Noberto
postado em 08/10/2021 19:29 / atualizado em 08/10/2021 19:34
 (crédito:  Ed Alves/CBDA Press)
(crédito: Ed Alves/CBDA Press)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse nesta sexta-feira (8/10) que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não se preocupa em baratear o preço da gasolina e que “não era necessário” novo reajuste de 7% anunciado hoje. O petista afirmou que isso só prova que o presidente não tem pulso para controlar os preços. “Sabe aqueles caras que batem a mão na mesa e dizem ‘eu falo, eu faço, eu xingo?’, mas na verdade ele tá dando a demonstração de que é totalmente incompetente para governar esse país”, disse.

Lula ainda avaliou que Bolsonaro está como um “biruta de aeroporto”, que procura notícias boas, contudo, são todas mentiras. “Não consegue controlar o preço da carne, do frango, preço do açúcar, tomate, e agora tá dizendo que vai ter desabastecimento. Ele é totalmente fora de controle”, pontuou.

Ao ser questionado sobre o caso dos offshores de Paulo Guedes, Lula disse que é necessário uma boa investigação e apuração, pois ele já foi “vítima de acusações". “Eu sei qual o preço de carregar denúncias falsas contra você. Até o Bolsonaro deve ter a chance de se explicar. Quero que ele prove que é inocente na morte de 600 mil de brasileiros”, afirmou.

Sobre a crise econômica do país, o petista afirmou que “só podia acreditar no [Paulo] Guedes como economista quem queria destruir o estado brasileiro”. De acordo com Lula, apenas quem estava interessado em vender as estatais apoiou o ministro. “Ele [Guedes] já deu a demonstração que pobre não existe na vida dele, trabalhador não existe na vida dele”, enfatizou.

Chama o Meirelles

Ao ser questionado sobre um conselheiro econômico para o período de campanha, e se o cargo seria ocupado por Henrique Meirelles, Lula afirmou que tem uma boa relação com o ex-ministro do governo petista, mas que não precisa de um conselheiro. “Eu digo sempre que economia tem duas coisas: primeiro você tem que ter credibilidade. As pessoas que estão te ouvindo precisam acreditar naquilo que você está falando. E segundo, as pessoas têm que saber que não vão ser pegas de calças curtas”, afirmou.

Apesar da negativa, Lula afirmou que já tem um nome para o Ministério da Economia caso seja presidente em 2023. Contudo, ele diz que criará um conselho de desenvolvimento econômico e social. “Vai ter sindicalista, vai ter negro, vai ter branco, evangélico, católico, vai ter todo mundo. Porque o país não é meu. Eu quero que a sociedade me ajude a fazer um país melhor. A questão econômica a gente resolve quando mostrar seriedade”, afirmou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE