RIO DE JANEIRO

Lula critica venda de ações da Petrobras: "Desmonte"

O petista também criticou as privatizações realizadas durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro

Relatando a descoberta do pré-sal em 2007, Lula destacou que a Petrobras é
Relatando a descoberta do pré-sal em 2007, Lula destacou que a Petrobras é "a empresa mais preparada para a retirada de petróleo em águas profundas" - (crédito: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil)
postado em 02/04/2024 17:16 / atualizado em 02/04/2024 17:16

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticou, nesta terça-feira (2/4), as privatizações feitas durante a gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). O petista também afirmou que as vendas de ações da Petrobras tinham por objetivo o desmonte do sistema produtivo da estatal. A declaração ocorreu na cerimônia de anúncio do início das obras de dragagem do Canal de São Lourenço, em Niterói, no Rio de Janeiro.

Relatando a descoberta do pré-sal em 2007, Lula destacou que a Petrobras é "a empresa mais preparada para a retirada de petróleo em águas profundas". "É por isso que nós estamos tentando recuperar a Petrobras. Eles (governo anterior) não tiveram coragem de privatizar a Petrobras porque tinha que passar pelo Congresso. Eles começaram a vender ativos da Petrobras como venderam o gasoduto que a gente tinha, como venderam a BR que a gente tinha, como venderam a empresa de gás que a gente tinha porque o objetivo era tentar desmontar todo o sistema produtivo da Petrobras."

"Paralisaram o Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro) durante muitos anos. Esse Comperj era um sonho de que a gente iria ter no Brasil uma forte indústria petroquímica e eles conseguiram desmontar isso. Faltava 15% pra terminar e ela ficou paralisada por mais de dez anos. Agora nós voltamos e nós temos que recomeçar tudo de novo. Não é fácil o trabalho de reconstruir. E nós pegamos esse país desmontado”, emendou o petista apontando que o governo Bolsonaro ao invés de governança, empregos e saúde “tinham era mentiras”.

Recuperar a indústria naval

O presidente disse ainda que um dos objetivos do governo é o de recuperar a indústria naval brasileira. “Não é possível um país do tamanho do Brasil, 90% de todo o comércio do Brasil feito através do mar. Não tem sentido a gente ter déficit comercial na balança por conta de o nosso produto é todo exportado e comprado em navios de bandeira estrangeira."

Lula disse ainda que essa medida prejudica a geração de empregos no país e defendeu melhoria na economia brasileira. "É verdade que pode ser mais barato alguns centavos, dólares. Mas o fato da gente alugar um navio lá fora, a gente não vai gerar emprego aqui. A gente não vai gerar pequenas e médias indústrias, não vai ter componente nacional, significa que a gente vai trazer um produto mais barato, mas o povo aqui está desempregado e não vai poder comprar um produto que vai vir pra cá. Por isso é necessário gerar emprego nesse país porque o emprego gera renda, a renda gera e o consumo gera desenvolvimento", afirmou.

“Não existe possibilidade da gente recuperar esse país se a economia não voltar a crescer. A economia voltada a crescer vai gerar emprego. O emprego gera consumo. O consumo mais emprego e assim a roda gigante da economia vai girando, vai girando e a gente vai voltar a crescer”, pontuou.

Mais cedo, Lula também participou da cerimônia de inauguração do Impa Tech, no Rio de Janeiro, primeiro curso de graduação do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA).

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação