Pandemia

Covid-19: Taxa de transmissão está acima de 1 há 12 dias no DF

Resultados acima do numeral demonstram descontrole na pandemia. Índice mede reprodução da doença. Casos de covid-19 estão em alta e mortes, estáveis

Ana Isabel Mansur
postado em 10/10/2021 22:38
Entre as vítimas cujas mortes foram registradas neste domingo (10/10), está um jovem de 30 a 39 anos -  (crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press                  )
Entre as vítimas cujas mortes foram registradas neste domingo (10/10), está um jovem de 30 a 39 anos - (crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press )

Pelo 12º dia consecutivo, a taxa de transmissão da covid-19 no Distrito Federal está acima de 1. Neste domingo (10/10), o número chegou a 1,12. Quando o resultado do índice, que mede a reprodução da pandemia, está acima de 1, a doença é considerada fora de controle. A taxa deste domingo (10/10) aponta que 100 pacientes infectados podem transmitir o vírus a outras 112 pessoas.

A média móvel de casos da covid-19 no DF está em alta — quando a variação é superior a 15%, tanto para mais quanto para menos — há seis dias. O indicador deste domingo (10/10) está em 1.198, 40,4% superior ao dado de 14 dias atrás, 26 de setembro.

A média móvel de mortes, por sua vez, está em estabilidade há três dias — a variação ficou abaixo de 15%. O resultado chegou a 15,6 neste domingo (10/10), número apenas 1,8% superior ao índice das duas últimas semanas. As médias móveis ajudam a visualizar a evolução da pandemia, ao amortecer possíveis atrasos de notificações. Os cálculos são refeitos diariamente, a partir dos resultados do dia e dos seis anteriores.

Números do dia

O Distrito Federal chegou a 506.429 casos de covid-19, dos quais 886 foram diagnosticados neste domingo (10/10). Do total de infecções, 486.289 (96%) são consideradas recuperadas. Com mais 10 mortes notificadas, a capital federal acumula 10.604 óbitos desde o início da pandemia.

Não houve registro de falecimentos neste domingo (10/10). Quatro pessoas morreram no sábado (9/10) e uma na sexta (8/10). Entre segunda (4/10) e quarta (8/10), houve quatro óbitos. Um paciente perdeu a vida em 29 de setembro.

Entre as vítimas, está um jovem de 30 a 39 anos. Apenas uma pessoa não sofria de nenhuma comorbidade. Sete pacientes apresentavam problemas cardíacos e quatro distúrbios metabólicos. Pneumopatia acometia três vítimas; nefropatia e imunossupressão afetavam uma pessoa, cada. Um paciente veio a óbito em casa e dois morreram em hospitais particulares. O restante das vítimas faleceu em unidades de saúde da rede pública do DF.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE