Agressão

Vídeo: mulher é arrancada de carro e agredida por vizinhas no DF

Caso aconteceu na manhã deste sábado, no Paranoá Parque. Filho de vítima relata que mãe está com medo de sair de casa e que vai entrar com processo contra as agressoras

Edis Henrique Peres
postado em 13/11/2021 20:34 / atualizado em 13/11/2021 20:34
 (crédito: Reprodução/Vídeo)
(crédito: Reprodução/Vídeo)

Uma mulher de 41 anos foi arrancada do próprio carro e agredida por uma vizinha e as duas filhas na manhã deste sábado (13/11), no condomínio Paranoá Parque. Câmeras de segurança flagraram o momento em que a vítima é arrastada e recebe diversos socos e puxões de cabelos. A confusão teria começado porque, ao descer as escadas, a mulher fechou a portaria, o que irritou a mãe e as duas filhas, também moradoras do local.

Em relato dado ao Correio, o filho da vítima contou que a mulher está machucada e com medo. “Minha mãe estava descendo o corredor do prédio e fechou a portaria do condomínio. As três agressoras desciam logo em seguida e, quando minha mãe foi para o carro, duas foram em direção a ela e começaram a ofendê-la, jogar piada e xingá-la. Minha mãe revidou e a que ainda estava na portaria correu para agredi-la”, conta.

A mulher sofreu golpes no rosto, nos joelhos e no braço. “Elas pegaram minha mãe pela roupa e pelo cabelo e jogaram ela no chão, onde teve mais puxões de cabelo e chutes. Só pararam quando meu pai chegou e apartou a briga”. Segundo o relato dele, as vizinhas, de 49, 13 e 24 anos, são problemáticas no condomínio e já tiveram intrigas com outras pessoas.

Após o ocorrido, a mulher registrou boletim da 6ª Delegacia de Polícia (DP) e fez exame de corpo delito no Instituto Médico Legal (IML). “Minha mãe está se sentindo muito desconfortável, está com receio de ir na rua, não quer aparecer nem na janela de casa. Mas já acionamos o advogado e vamos entrar com processo”, garante.

Violência

O caso deste sábado, contudo, não foi o único. Em depoimento prestado à reportagem, outra moradora do condomínio, que pediu para não ser identificada, relata que as agressoras já se envolveram em diversas confusões. “Temos que lidar com isso quase diariamente. Sempre caçam briga por motivos fúteis. Um outro caso que aconteceu foi contra uma menina de 14 anos”, relata.

Segundo a moradora, a família reside no condomínio há cerca de cinco anos. “Moram a mãe, o esposo e as três filhas. Todas as quatro se envolvem em confusão. E a gente tem medo, porque são envolvidas com coisas pesadas”, afirma.

Posicionamento

O Correio entrou em contato com o condomínio Paranoá Parque, que informou, em nota, que acionaram a advogada do residencial “para orientações sobre os próximos passos”. O condomínio garante que "irá agir conforme determinar a Convenção e o Código Civil". 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE