ENTREVISTA | CB.PODER

"Equipe econômica do governo federal deve entrar no debate sobre educação"

Ao CB.Poder, secretária de Educação do DF, Hélvia Paranaguá, disse que o Plano Nacional de Educação tem como um dos objetivos a redução das desigualdades, mas precisa de apoio financeiro para atingir as metas

 10/07/2024 Cr..dito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press. Brasil. Bras..lia - DF - CB.Poder entrevista a secret..ria de educa....o do DF ..lvia Paranagu...
     -  (crédito:  Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
10/07/2024 Cr..dito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press. Brasil. Bras..lia - DF - CB.Poder entrevista a secret..ria de educa....o do DF ..lvia Paranagu... - (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

As melhorias que o Plano Nacional de Educação (PNE) poderá trazer ao ensino, como a diminuição das desigualdades, foram debatidas com Hélvia Paranaguá, secretária de Educação do Distrito Federal, durante o programa CB.Poder — parceria entre o Correio e a TV Brasília — desta quarta-feira (10/7). Aos jornalistas Denise Rothenburg e Carlos Alexandre de Souza, a gestora destacou que para que as metas sejam alcançadas, as equipes econômicas precisam entrar no debate.

A ampliação da oferta para a educação infantil é um projeto que ajuda na redução das desigualdades, segundo Hélvia. “Dessa forma, a mãe da criança pode ir para o trabalho e aumentar a renda familiar, deixando o filho em segurança na creche. Ou entramos com políticas públicas muito efetivas para que a família possa sair para geração de emprego e renda, ou vamos continuar com essa desigualdade, que é algo que não queremos”, observou.

Para evitar a desistência dos alunos, principalmente no ensino médio, um auxílio para estudantes é visto com bons olhos pela secretária. “Alguns estados já estão fazendo isso para segurar o menino no ensino médio porque o abandono é grande. Então, essa política é uma tentativa de evitar o abandono da escola. Parabenizo, inclusive, o ministro da Educação, Camilo Santana, e vários estados por essa iniciativa”, descreveu.

Hélvia citou que o PNE é excelente, mas para que ele seja implementado, a área econômica deve estar presente para arcar com os gastos. “Não só o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e a ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, mas todos os secretários de Planejamento, Fazenda ou Economia. A discussão deve permear pela área econômica, caso contrário, não iremos atingir as metas”, finalizou.

Veja a entrevista na íntegra

 

*Estagiário sob a supervisão de Márcia Machado

 

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

postado em 10/07/2024 21:19
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação