DOENÇAS RARAS

"Síndrome de lobisomem": entenda condição que afeta criança da Malásia

O caso foi registrado na Malásia e a família decidiu expor nas redes sociais para conscientizar as pessoas sobre a síndrome

Adik foi adotada pelo casal real do estado de Pahang, Yang di-Pertuan Agong Al-Sultan Abdullah Ri'ayatuddin Al-Mustafa Billah e sua consorte Raja Permaisuri Agong Tunku Azizah Aminah, que se propuseram a custear o tratamento e o cuidado dela -  (crédito: Reprodução/TikTok @VMO_officiel)
Adik foi adotada pelo casal real do estado de Pahang, Yang di-Pertuan Agong Al-Sultan Abdullah Ri'ayatuddin Al-Mustafa Billah e sua consorte Raja Permaisuri Agong Tunku Azizah Aminah, que se propuseram a custear o tratamento e o cuidado dela - (crédito: Reprodução/TikTok @VMO_officiel)
postado em 13/03/2024 09:00 / atualizado em 13/03/2024 09:00

Um vídeo tem circulado nas redes sociais mostrando uma criança, de dois anos, com a doença rara, conhecida como hipertricose generalizada congênita (CGH) ou “síndrome do lobisomem”. Ela faz com que os pelos cresçam de maneira desordenada pelo corpo, principalmente no rosto. Além do volume de cabelo, Adik Missclyen, que é da Malásia, nasceu sem nariz e precisou ser operada para abrir canais de respiração após o parto.

Adik foi adotada pelo casal real do estado de Pahang, Yang di-Pertuan Agong Al-Sultan Abdullah Ri'ayatuddin Al-Mustafa Billah e sua consorte Raja Permaisuri Agong Tunku Azizah Aminah, que se propuseram a custear o tratamento e o cuidado dela.

@vmo_officiel ?? #baby #pourtoi #fyr ? My Love Mine All Mine - Mitski

A hipertricose é uma condição caracterizada pelo crescimento excessivo de pelos em qualquer parte do corpo e pode atingir homens e mulheres igualmente. Além disso, ela pode ser congênita (presente no nascimento) ou adquirida mais tarde na vida. As formas congênitas incluem hipertricose generalizada congênita — que é o caso de Adik — hipertricose pré-puberal e formas adquiridas como hipertricose lanuginosa.

A hipertricose é uma doença rara com poucos casos ao redor do mundo. Estima-se que sua incidência na população seja de uma a cada um milhão. A forma adquirida pode estar associada a várias condições, como genética, desnutrição ou certos medicamentos. O tratamento se concentra em métodos de depilação.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação