ACUSAÇÃO

David Copperfield é acusado de conduta sexual inapropriada por ao menos 16 mulheres

Algumas das vítimas relataram que tinham menos de 18 anos na época dos abusos

Crédito: Homer Liwag/Divulgação. Mágico ilusionista David Copperfield. -  (crédito: Homer Liwag/Divulgação)
Crédito: Homer Liwag/Divulgação. Mágico ilusionista David Copperfield. - (crédito: Homer Liwag/Divulgação)

O famoso mágico americano David Copperfield foi acusado de conduta sexual inapropriada por mais de uma dezena de mulheres, em episódios que teriam ocorrido ao longo de várias décadas, segundo uma reportagem do jornal britânico The Guardian publicada na quarta-feira, 15.

A investigação do jornal revelou acusações de pelo menos 16 mulheres, incluindo algumas que alegaram ter menos de 18 anos na altura dos acontecimentos.

Três das denunciantes afirmam que Copperfield as drogou antes de ter relações sexuais.

A edição americana do jornal britânico disse ter conversado com mais de 100 pessoas e examinado registros policiais e judiciais para corroborar a história, que abrange o período entre o final da década de 1980 e 2014.

Segundo a reportagem, as mulheres conheceram o artista através de seu trabalho, que abrangeu décadas de carreira.

Os advogados de Copperfield disseram ao canal que o ilusionista negou qualquer irregularidade e "nunca agiu de forma inadequada com ninguém, muito menos com menores".

O mágico de 67 anos já tinha sido acusado de comportamento inapropriado em 2018, quando uma mulher chamada Brittney Lewis disse ter sido drogada e agredida sexualmente por ele três décadas antes. Copperfield negou.

Lewis é uma das 16 denunciantes citadas no relatório do Guardian. O jornal acrescentou que conversou com uma outra mulher, que não quis ser identificada, que disse ter sido drogada junto com uma amiga pelo mágico, antes de ele ter relações sexuais com as duas.

Os advogados de Copperfield negaram essa acusação específica, observando que nenhuma denúncia foi apresentada contra ele quando as agressões supostamente ocorreram.

Outra denunciante, que recebe um pseudônimo no artigo, afirma que conheceu o ilusionista depois de um de seus shows, quando ela tinha apenas 15 anos.

Copperfield também enfrentou questionamentos por questões semelhantes devido aos seus vínculos com o magnata Jeffrey Epstein, condenado por tráfico sexual e que morreu na prisão em 2019.

Seu nome estava em uma lista de figuras mencionadas em documentos judiciais relacionados a Epstein que foram desclassificados em janeiro. No entanto, isso não indica que ele cometeu algum crime.

"Nosso cliente não sabia de nada dos terríveis crimes de Epstein", afirmaram os advogados de Copperfield ao The Guardian. "Assim como o resto do mundo, ele ficou sabendo pela imprensa". Foi feito contato com os representantes legais de Copperfield, mas não houve resposta.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

postado em 16/05/2024 11:41