OPERAÇÃO TEMPUS VERITATIS

Pacheco reage e diz que grupo bolsonarista queria impor "Estado de exceção"

Presidente do Congresso Nacional seria alvo de prisão dos golpistas, na minuta que estava sendo deliberada pelo grupo

Pacheco seria alvo de prisão dos golpistas, ao lado de Alexandre de Moraes e Gilmar Mendes, em investigações da PF -  (crédito: Marcos Oliveira/Agência Senado)
Pacheco seria alvo de prisão dos golpistas, ao lado de Alexandre de Moraes e Gilmar Mendes, em investigações da PF - (crédito: Marcos Oliveira/Agência Senado)
postado em 08/02/2024 16:12 / atualizado em 08/02/2024 16:13

O presidente do Congresso Nacional, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), reagiu à revelação de que o grupo bolsonarista, de fato, preparava um golpe no país para impedir a posse de Luiz Inácio Lula da Silva. Nas investigações da Polícia Federal, Pacheco até seria alvo de prisão dos golpistas, ao lado de Alexandre de Moraes e de Gilmar Mendes.

Em nota, Pacheco afirmou que estava em curso a imposição de um Estado de exceção, com previsão de prisão de autoridades. E classificou o grupo bolsonarista, que inclui o ex-presidente Jair Bolsonaro, de "minoria irresponsável".

"Ação insensata encabeçada por uma minoria irresponsável, que previa impor um Estado de exceção e prisão de autoridades democraticamente constituídas. Agora, cabe à Justiça o aprofundamento das investigações para a completa elucidação desses graves fatos", se manifestou Pacheco.

Bolsonaro teria pedido para excluir Pacheco da lista de presos e deixar apenas Moraes.

O deputado Zeca Dirceu (PR), que está deixando a liderança do PT na Câmara, postou que "tá chegando a hora", ao publicar a decisão da Polícia Federal, de cobrar de Bolsonaro a entrega de seu passaporte. A PF apreendeu o documento hoje à tarde na sede do PL, em Brasília.

Um dos vice-presidentes da Câmara, o bolsonarista Sóstentes Cavalcante (PL-RJ) saiu em defesa do ex-presidente e afirmou se tratar de "mais um capítulo de perseguição" contra a oposição e a Bolsonaro.
"Tudo isso para tentar fundamentar um golpe que nunca existiu", disse.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação